Londres continua a ser a cidade mais atrativa para as tecnológicas

EmpresasNegóciosStartup
0 2 Sem Comentários

A CBRE, empresa prestação de serviços para o setor imobiliário, publicou o seu primeiro estudo “Understanding European Technology Clusters”, que aborda o rápido crescimento do setor tecnológico na Europa e as cidades mais atrativas para as startups. Lisboa aparece na 26ª posição da lista.

Foram 35 as cidades analisadas pelo estudo com Londres a surgir na primeira posição, continuando a demonstrar ser um pólo atrativo para as tecnológicas, mesmo com o Brexit. O top 5 é fechado por Paris, Berlim. Munique e Madrid, respectivamente.

O relatório identifica ainda as cidades tecnológicas europeias emergentes, que estão a registar o ritmo de crescimento mais rápido, como é o caso de Bucareste, Sófia, Budapeste e Istambul.

“Londres e Paris são as cidades tecnológicas líderes da Europa. Beneficiam de uma grande procura e de uma grande variedade de ocupantes, tanto em termos de tipologias como de dimensão. No entanto, o nosso estudo mostra que existe um vasto leque de cidades tecnológicas atractivas. Hamburgo, Sófia e Varsóvia são hubs tecnológicos cada vez mais relevantes na Europa. Colónia, Turim e Utrecht continuam a registar grandes concentrações de emprego neste setor, enquanto Lyon e Zurique deverão assistir a um crescimento mais expressivo da taxa de emprego tecnológico, comparativamente com outras cidades de maior dimensão”, afirmou, em comunicado, Richard Holberton, Diretor Sénior de Research da CBRE.

A pesquisa destaca que há algumas cidades que conseguiram atrair subsetores específicos dentro das empresas tecnológicas. Por exemplo, a publicidade digital tem um grande peso em Berlim, enquanto os requisitos dos serviços de Tecnologias de Informação assumem uma maior representatividade em Budapeste.

De referir também que as cidades mais atrativas para as tecnológicas são, também, as que dominam os pedidos de patentes de alta tecnologia no Instituto Europeu de Patentes. São elas Londres, Munique e Paris.

Para fazer o download do estudo completo, clique aqui


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor