Lenovo acelera iniciativas de IA para melhorar produtividade das empresas

EmpresasInovaçãoNegócios

A empresa de origem chinesa anunciou, no Supercomputing 2017, novas iniciativas com o objetivo de incentivar a adaptação da Inteligência Artificial (IA) e torná-la em uma realidade para melhorar negócios e resultados sociais. A Lenovo apresentou novas soluções, vai investir em centros de inovação dedicados e criar uma comunidade de especialistas que permitirá aos seus clientes atingir uma implementação mais rápida das suas cargas de trabalho de IA com soluções “end-to-end.”

“A inteligência artificial já está a ter um impacto profundo nas estratégias comerciais tradicionais e na investigação científica e a maioria dos administradores de empresas assumem-na como uma prioridade para o futuro. Para realmente se tirar partido da grande quantidade de dados disponível no dia-a-dia, os nossos clientes devem adotar a IA como um veículo para atingir o sucesso dentro do mundo competitivo que predomina na atualidade”, afirma, em comunicado, Kirk Skaugen, presidente do Data Center Group da Lenovo.

A Lenovo está a associar-se a clientes enquanto estes exploram a capacidade da IA no sentido de permitir uma investigação verdadeiramente inovadora e avançar nos esforços humanitários realizados a nível global, tanto na identificação de curas para doenças, como na compreensão do verdadeiro impacto das alterações climáticas.

Nesse sentido, a companhia realizou uma parceria com a Universidade da Carolina do Norte (NCSU) para a criação de um processo de análise de imagens geoespaciais baseado em IA para ajudar na conservação dos recursos hídricos na agricultura e permitir que os agricultores efetuem uma gestão eficiente da água e energia gastas durante a rega, melhorarando desta forma a rentabilidade e conservação dos recursos naturais.

Além disso realizou também um acordo de colaboração com a University College London (UCL) para investigação na física de partículas. Os investigadores da instituição vão aplicar IA para reconstruir as trajetórias das partículas, usando dados gráficos proporcionados pelo ATLAS do Grande Colisor de Átomos (LHC) do CERN, de forma muito mais eficiente que os métodos tradicionais. Este enfoque otimiza os recursos tecnológicos e também pode ajudar a UCL a avançar com a sua investigação na reconstrução de eventos muito mais complexos.

IA aplicada à transformação digital das organizações

A companhia vê o percurso dos clientes para a inteligência artificial como um processo de três fases, a primeira é ajudar a descobrir o potencial e os benefícios da IA para a aplicar num vasto conjunto de casos; a segunda é desenvolver e proporcionar um hardware otimizado de IA e a seleção de trabalhos de IA para levar a cabo o desenvolvimento de aplicações de IA e a terceira é a implantação acelerada com soluções “end-to-end” simplificadas e um serviço profissional especializado.

A inteligência artificial, a aprendizagem automática e as cargas de trabalho de aprendizagem profundas exigem uma base flexível, ágil e de alto rendimento tecnológico (HPC) e a Lenovo anunciou uma oferta específica para estas futuras cargas de trabalho.

As novidades são os novos GPUs para ThinkSystem SD530, incluindo assistência para os mais recentes aceleradores NVIDIA Volta Tesla V100 GPU e processadores Intel Xeon Scalable Systems Family. O ThinkSystem SD530 é facilmente adaptável para os clientes que procuram o poder e a escala em grandes e complexos entornos como a computação de alto rendimento ou definidos por software. Como o novo Tesla V100, o ThinkSystem SD530 converte-se numa potente opção para aplicações de IA, incluindo cargas de trabalho em escala.

Além disso, foi ainda apresentado o Lenovo Intelligent Computing Orchestrator (LiCO), uma gestão potente com um interface intuitivo que ajuda a acelerar o desenvolvimento de aplicações de IA. A LiCO inclui os recursos mais conhecidos em código aberto de IA, supervisiona a formação de redes neuronais, horários de carga de trabalho de IA em múltiplos entornos e é capaz de trabalhar através de provedores com soluções diferentes.

A Lenovo possui, ainda, três novos centros de inovação em AI em Morrisville na Carolina do Norte, Estugarda na Alemanha e Pequim, na China, concebidos para ajudar os seus clientes a descobrir a forma como a IA pode ajudar a gerir grandes negócios ou desafios humanitários. Mais de 100 cientistas da Lenovo especializados em dados e desenvolvimento de IA, já estão a trabalhar para criar soluções habilitadas para esta tecnologia, como a função de poder analisar e detetar tumores através de imagens, ajudando os médicos a determinar o melhor tratamento.

Os clientes da Lenovo podem aceder aos serviços oferecidos pelo centro de inovação de forma remota, além de terem a oportunidade de testar e aperfeiçoar aplicações e cargas de trabalho dentro de uma variedade de sistemas, otimizada para alto rendimento.

Além disso, podem unir-se a uma comunidade repleta de parceiros especialistas e cientistas de dados, bem como outros clientes, para partilhar perspetivas e aprendizagens com o objetivo de ajudar a resolver alguns dos maiores desafios do mundo.

Estas iniciativas são possíveis em função do aumento do investimento da Lenovo, em mil milhões de euros, em pesquisa e desenvolvimento em IA, o que demonstra bem o compromisso da empresa com esta tecnologia.

“Acreditamos que as máquinas não substituirão os seres humanos e que permitirão aumentar e ajudar nas nossas ações em todos os aspetos da vida, uma visão a que chamamos de inteligência aumentada. Trabalhar com IA é uma tarefa complexa. Requer uma potência de processamento significativa e um nível de conhecimentos técnicos que não costuma estar disponível nos nossos clientes”, refere Madhu Matta, Vice-Presidente e Diretor-Geral do departamento de IA e HPC da Lenovo DCG.

“Criámos um ecossistema “end-to-end” que nos permite apoiar os nossos clientes em cada passo que dão, para explorar estratégias de IA e aplicar o poder da inteligência aumentada”, acrescenta o executivo.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor