Kim Dotcom planeia trazer Megaupload de volta

Negócios

O excêntrico alemão que ainda está a lutar contra a extradição da Nova Zelândia para os Estados Unidos prometeu trazer de volta o site que gerou os seus problemas legais: Megaupload.

Kim Dotcom usou a sua conta de Twitter para anunciar que vai trazer o site de partilha de ficheiros de volta, colocando até uma data na promessa. “O Megaupload vai regressar a 20 de janeiro de 2017, o quinto aniversário do raide”, escreveu o alemão, referindo-se às buscas da polícia a pedido do FBI que levaram ao encerramento compulsivo do site, à prisão de Dotcom e três outros e ao congelamento dos seus bens.

“Será melhor que o original e vai parecer-vos familiar”, completou.

O Megaupload foi encerrado em 2012 e Dotcom acusado de proporcionar uma plataforma que permitiu a milhões de utilizadores piratearem conteúdos como filmes e músicas, lucrando com essa ilegalidade. As autoridades norte-americanas, que pediram a sua extradição da Nova Zelândia, alegam que o site de Dotcom custou à indústria da música e filmes mais de 500 milhões de dólares em prejuízos; ao mesmo tempo, gerou 175 milhões de dólares ao fundador, já que muitos utilizadores pagavam para ter acesso ao “cacifo” digital.

A defesa do empresário é que o site apenas fornecia o espaço de armazenamento e não tinha responsabilidade na legalidade do que os utilizadores lá colocavam (muitos usavam o portal para fins legítimos, como guardar trabalhos da faculdade ou fotografias próprias).

Quando foi preso, correram mundo imagens de Kim Dotcom com espingardas, aviões privados e muito ouro. O seu estilo de vida faustoso causou controvérsia, sendo que o FBI estima que em 2010 fazia mais de 115 mil dólares por dia.

“Serei o primeiro multi-milionário a ser acusado, perder tudo e a criar outra empresa de tecnologia milionária enquanto estou em condicional”, declarou no Twitter.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor