Kaspersky revela onde são as crianças mais propensas a visitar sites perigosos

Negócios
0 0 Sem Comentários

A Kaspersky Lab revelou em quais países as crianças tiveram atitudes online mais arriscadas nos últimos 12 meses. A pesquisa abrange de dezembro de 2015 a novembro de 2016 e inclui dados coletados pelas soluções de segurança da empresa para Windows e Mac OS X com o módulo de Controlo para Pais ativado.

Com base nas estatísticas globais do módulo de Controlo para Pais, a pesquisa da Kaspersky mostra que o maior número de tentativas de visitar sites perigosos por utilizadores jovens foi registado em Israel (775), seguido por Reino Unido (460), EUA (352), Suécia (345) e Canadá (302).

As estatísticas são baseadas no número de tentativas de visita registadas pelo módulo a sites incluídos nas sete categorias pré-configuradas* consideradas mais perigosas para crianças pelos especialistas da Kaspersky Lab. As estatísticas são apresentadas em termos do número de tentativas por utilizador por ano.

Os resultados da pesquisa mostram que as crianças do Japão são mais propensas a tentar e visitar sites categorizados como ‘Conteúdo para adultos’ (39 tentativas) e ‘Software, áudio, vídeo’ (104) – essa categoria inclui sites com conteúdo não licenciado. Constatou-se também que os jovens italianos estão mais interessados em jogos (3,6 tentativas), enquanto os de Portugal foram os visitantes mais frequentes de sites com linguagem explícita (60). As crianças israelenses mostraram mais interesse em álcool, fumo e/ou narcóticos (687 tentativas por utilizador) e armas (3,8), enquanto a maioria das tentativas de visitar sites com conteúdo sobre violência (1,8) foi de crianças nos EUA.

A empresa nota que nem todas essas tentativas foram premeditadas; por exemplo, as crianças podem acabar por chegar a esses sites ao clicar sem querer num banner ou num link partilhado por outras pessoas. Ao mesmo tempo, um outro estudo realizada pela Kaspersky Lab em 2016 com 3.780 famílias de sete países mostrou que, conforme elas mesmas admitiram, os jovens russos e americanos eram mais propensos que os outros a esconder as provas de possíveis atividades on-line perigosas dos seus pais e também a acederem a conteúdo impróprio para crianças.

“Como diz o ditado, saber é poder, e isso é especialmente verdadeiro para os pais que precisam de proteger os seus filhos de informações indesejadas e às vezes perigosas, tanto no mundo real quanto no virtual”, comentou Fábio Assolini, analista sénior de segurança da Kaspersky Lab. “Nem sempre os pais conseguem ficar ao lado de seus filhos para impedir um contado casual, por exemplo, com conteúdo pornográfico ou sites que promovem o uso de drogas. É por isso que as soluções de TI especializadas são tão importantes para prevenir os pais e ajudá-los a evitar que as crianças acedam a esse tipo de conteúdo.”


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor