ISQ entra em projeto europeu de eficiência energética

Fornecedores de SoftwareInovaçãoProjetosTecnologia Verde
0 4 Sem Comentários

O ISQ vai integrar o projeto europeu MOEEBIUS em parceria com a Câmara Municipal de Mafra, uma participação a três anos num consórcio que pretende diminuir em 35% o consumo energético dos edifícios. A participação portuguesa vale 450 mil euros de um total de 7,3 milhões.

MOEEBIUS é o acrónimo de Modeling Optimization of Energy Efficiency in Buildings for Urban Sustainability e está a ser liderado pela Fundación Tecnalia, com a participação de 15 entidades europeias de 11 estados-membros. A sua importância ganha relevo perante as estatísticas correntes: 40% do consumo de energia total na Europa deve-se ao consumo energético dos edifícios, o que inclui ineficiências de operação e utilização.

Para tentar mudar a situação, o consórcio vai criar uma plataforma informática avançada de gestão de energia, que irá analisar questões como o impacto dos comportamentos dos utilizadores no consumo de energia e o desempenho dos equipamentos. Serão feitas simulações para prever e ajustar o desempenho energético dos edifícios, em tempo real.

O ISQ vai desenvolver componentes técnicas para esta plataforma, incluindo “metodologias inovadoras para a avaliação do desempenho energético, melhoria da modelação da qualidade do ar interior e desenvolvimento de novos modelos de negócios para a gestão de energia”, explica o Instituto.

Depois, a implementação será testada em três países e Portugal é um deles, em conjunto com Inglaterra e Sérvia. É aqui que entra a Câmara Municipal de Mafra: o caso de estudo português será realizado em dois dos seus edifícios, num complexo escolar e nos Paços do Concelho. A intenção é envolver os interessados locais, regionais e mesmo nacionais na criação de um “laboratório vivo.” O ISQ vai dar suporte a este teste.

A iniciativa é financiada pela Comissão Europeia, no âmbito no programa europeu de apoio à Investigação e Desenvolvimento, Horizonte 2020, e a ambição é chegar a uma redução do consumo de 35% com satisfação dos utilizadores acima dos 95%. Tudo isto durante os próximos três anos e meio.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor