Isabel dos Santos já respondeu às críticas da PT SGPS

NegóciosOperadoresProjetosRedesService-Provider

Ainda que não tenha sido feito oficialmente, a empresária angola já reagiu aos comentários feitos pelo Conselho de Administração da empresa, que a acusavam e um plano de negócio “pouco claro” em relação ao futuro da PT. Isabel dos Santos respondeu que a venda da PT Portugal é um “negócio opaco”. As declarações foram feitas

Ainda que não tenha sido feito oficialmente, a empresária angola já reagiu aos comentários feitos pelo Conselho de Administração da empresa, que a acusavam e um plano de negócio “pouco claro” em relação ao futuro da PT. Isabel dos Santos respondeu que a venda da PT Portugal é um “negócio opaco”.

isabel dos santos

As declarações foram feitas através de uma fonte próxima da empresária e depois comunicadas ao Jornal de Negócios e Económico. Os accionistas da PT SGPS estão a ser tratados de uma forma “brutal”, no entender de Isabel dos Santos. Esta crítica surge em relação à marcação da assembleia para discutir a venda da PT Portugal à Altice que, de acordo com a empresária, foi marcada apressadamente.

Isabel dos Santos defende que os acionistas deveriam ser tratados com mais lealdade: “aos acionistas da PT SGPS deverá ser dada a oportunidade, em assembleias gerais coincidentes na data de se pronunciarem em alternativa pelo consentimento à venda e desmantelamento da PT ou pela nossa OPA que mantém a unidade da empresa tão importante para a economia e o emprego de Portugal”.

“A análise do conselho de administração da PT SGPS incide essencialmente na questão do preço, sobre o qual o mercado deverá ter a última palavra, e não valoriza convenientemente o projeto empresarial subjacente à OPA, o qual passa pela manutenção do grupo Portugal Telecom com centro de decisão em Portugal”, respondeu, após ter sido acusada pelo Conselho de Administração da PT SGPS de oferecer um preço que não reflete “o valor intríseco” da empresa.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor