Internet das Coisas potencia as operações logísticas

Gestão de RedesMobilidadeNegóciosRedes

A DHL, fornecedora mundial de serviços de logística, e a Cisco, líder mundial em TI, lançaram em conjunto um novo Relatório de Tendências com foco em Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) que estima que haverá 50 mil milhões de dispositivos conectados à Internet até 2020 (em comparação aos 15 mil milhões de hoje) e

A DHL, fornecedora mundial de serviços de logística, e a Cisco, líder mundial em TI, lançaram em conjunto um novo Relatório de Tendências com foco em Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) que estima que haverá 50 mil milhões de dispositivos conectados à Internet até 2020 (em comparação aos 15 mil milhões de hoje) e analisa o impacto que esta revolução tecnológica terá sobre os negócios.

DHL

De acordo com a análise económica da Cisco, a IoT irá gerar um montante de 8 milhões de milhões de dólares em todo o mundo em valor movimentado ao longo da próxima década. Este valor será proveniente de cinco impulsionadores principais: inovação e receitas (2,1 milhões de milhões de dólares); utilização de ativos (2,1 milhões de milhões de dólares); cadeia de abastecimento e logística (1,9 milhões de milhões de dólares); aprimoramento da produtividade dos funcionários (1,2 milhões de milhões de dólares); e experiência mais avançada aos clientes e cidadãos (700 milhões de milhões de dólares).

De acordo com o relatório, ao longo da próxima década, o setor de logística pode alavancar níveis mais elevados de eficiência operacional na medida em que a IoT conecta em tempo real os milhões de embarques que são deslocados, rastreados e acondicionados todos os dias. No setor de armazenagem, paletes e itens conectados serão um impulsionador importante para uma gestão de estoque mais inteligente.

No transporte de cargas, a monitorização e o rastreamento de mercadorias tornam-se mais rápidos, mais precisos, preditivos e seguros, ao passo que a análise de uma frota conectada pode ajudar a prever falhas de ativos e agendar verificações de manutenção automaticamente. Por fim, conectar o pessoal responsável pela entrega aos veículos e pessoas que se encontram nos arredores pode se tornar uma forma de capitalizar e otimizar a viagem de volta, aprimorando a eficiência e o serviço prestado no trecho final da entrega. Para os clientes, isso significa que a DHL pode fornecer um serviço ainda mais rápido, confiável e com um custo ainda mais baixo.

“A Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) é a conexão à web de praticamente qualquer coisa – desde pacotes até pessoas – por meio de tecnologias de sensores, e a Cisco e a DHL acreditam que isso irá revolucionar os processos de negócios em toda a cadeia de valor, incluindo a cadeia de abastecimento e logística. Para obter o benefício económico global máximo, vamos precisar entender de que forma todos os componentes da cadeia de valor convergem, e isso vai exigir uma ampla colaboração e participação, além da disposição para investir e criar um ecossistema próspero de IoT para processos de negócios sustentáveis. O novo Relatório de Tendências é mais uma etapa no sentido de garantir que a DHL seja capaz de entregar os benefícios da IoT para nossos clientes”, disse Markus Kückelhaus, vice-presidente de Inovação e Pesquisa de Tendências da divisão de Soluções para Clientes e Inovação da DHL.

A DHL e a Cisco Consulting Services também estão colaborando agora em um projeto conjunto de inovação da IoT que irá melhorar a tomada de decisões em operações de armazéns por meio de análises de dados praticamente em tempo real, com base em dados de localização Wi-Fi de dispositivos selecionados. A solução é baseada nas Experiências de Dispositivos Móveis Conectados (Connected Mobile Experiences – CMX) da Cisco, que utiliza a rede sem fio de alta densidade para recolher dados de localização agregados em dispositivos conectados via tecnologia Wi-Fi.

*Jocelyn Auricchio é jornalista da B!T no Brasil


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor