Instagram e Weibo juntam-se à Oracle Social Cloud

Cloude-MarketingRedes SociaisServidores

O Instagram e o Weibo são as mais recentes adições à lista de redes sociais que integram a Oracle Social Cloud. A tecnológica quer potenciar as capacidades de relacionamento das empresas, permitindo que estas conheçam melhor o seu público-alvo e possam atender às suas necessidades de forma mais eficiente. Reconhecendo que as redes sociais atuam

O Instagram e o Weibo são as mais recentes adições à lista de redes sociais que integram a Oracle Social Cloud. A tecnológica quer potenciar as capacidades de relacionamento das empresas, permitindo que estas conheçam melhor o seu público-alvo e possam atender às suas necessidades de forma mais eficiente.

instagram

Reconhecendo que as redes sociais atuam hoje como autênticos canais de comunicação entre clientes e empresas, a Oracle decidiu aumentar o portfólio das redes sociais que fazem parte da sua Oracle Social Cloud, a partir da qual as empresas podem agora ter “suporte a nível analítico e de relacionamento no Instagram; e suporte para publicação, relacionamento e análise no Weibo”, explicou a tecnológica norte-americana em comunicado.

Ao embutir o Instagram no rol de plataformas sociais cobertas pela Oracle Social Cloud, a Oracle quer permitir que as empresas possam alcançar os “jovens adultos”, e capitalizar a crescente popularidade da comunicação por imagens nas redes sociais. Com o Weibo, as empresas podem apelar ao mercado chinês, visto que a rede social conta, diz a Oracle, com 175,5 milhões de utilizadores na China, e que cerca de 800 mil empresas recorrem a esta plataforma para comunicar, veicular informação, criar relações e realizar negócios e vendas.

“Esta parceria permitirá à base mundial de clientes da Oracle compreender e relacionar-se melhor com o vasto número de utilizadores chineses da Weibo”, referiu Bryan Cheng, diretor-geral da divisão de produtos e plataformas empresariais da Weibo.

Por sua vez, Meg Bear, vice-presidente da Oracle Social Cloud, sentenciou que cada vez mais as empresas olham para as redes sociais como fontes de informação sobre os seus clientes, de onde, por exemplo, podem ser retiradas tendências de consumo, necessidades e perfis de compra. Com estas informações, disse a executiva, as empresas podem sustentar os seus negócios e reforçar as suas posições no mercado.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor