Infineon prevê subida das receitas anuais acima dos 34 por cento

Negócios

A Infineon aumentou, pela segunda vez este ano, as previsões para os lucros de 2015. A fabricante de microprocessadores espera que a desvalorização do euro e a sua mais recente aquisição, a International Rectifier, potenciem as suas receitas. Especializada no desenvolvimento de chips para as áreas da eficiência energética, da mobilidade e da segurança, a

A Infineon aumentou, pela segunda vez este ano, as previsões para os lucros de 2015. A fabricante de microprocessadores espera que a desvalorização do euro e a sua mais recente aquisição, a International Rectifier, potenciem as suas receitas.

triple-digit-growth

Especializada no desenvolvimento de chips para as áreas da eficiência energética, da mobilidade e da segurança, a Infineon calcula que as suas receitas registem um crescimento de 34 a 38 por cento este ano. As projeções anteriormente avançadas apontavam para uma subida de 10 a 14 por cento.

O diretor executivo Reinhard Ploss acredita que a Infineon está a crescer de forma positivamente rentável e que a integração da Rectifier está a decorrer de acordo com o esperado. O CEO olha para os mercados da Infineon com otimismo e considera que o negócio da empresa será favorecido pelo crescimento dos setores onde se move.

Conta a Reuters que os analistas haviam esperado que a Infineon aumentasse as suas previsões para 2015, mas a congénere STMicroelectronics afirmara que os seus resultados poderiam ficar aquém dos previstos, o que deu aso a algumas dúvidas relativamente à rentabilidade do mercado dos semicondutores. Mas as estimativas da Infineon surgiram como um bálsamo tranquilizante.

As projeções da empresa integram na equação a compra da International Rectifier, um negócio que rondou os três mil milhões de dólares. Assim, o portfólio de processadores de alta performance da Infineon será musculado pelos chips de baixo consumo da Rectifier.

Os lucros da unidade de microprocessadores de segurança da Infineon registou nestes primeiros três meses lucros operacionais quase dez vezes superiores aos do ano passado. O segmento energético chegou aos 82 milhões de dólares, mais do dobro dos lucros conseguidos no mesmo período de 2014.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor