Indústria de semicondutores atinge melhor resultado de sempre

Negócios

A Associação da Indústria de Semicondutores norte-americana revelou que 2014 foi o melhor ano de sempre para as empresas dedicadas à construção e venda de chips. Apesar das vendas no continente americano ter aumentado 17 por cento, a Europa conheceu uma quebra de dois por cento. Quando procuramos um novo equipamento para adquirirmos, seja um

A Associação da Indústria de Semicondutores norte-americana revelou que 2014 foi o melhor ano de sempre para as empresas dedicadas à construção e venda de chips. Apesar das vendas no continente americano ter aumentado 17 por cento, a Europa conheceu uma quebra de dois por cento.

computer-28

Quando procuramos um novo equipamento para adquirirmos, seja um smartphone ou computador, e comparamos diferentes marcas, na generalidade dos casos, olhamos apenas para características como autonomia da bateria, qualidade da câmara, capacidade da memória ou aspeto estético. No entanto, o chip é um componente essencial para o funcionamento de qualquer gadget e isso vê-se nos resultados do mercado.

A Associação da Indústria de Semicondutores dos Estados Unidos (SIA), organização responsável pela gestão da indústria dos chips, apresenta os resultados do último ano e revela que 2014 foi o melhor ano de sempre. As vendas atingiram os 336 mil milhões de dólares.

Relativamente ao continente americano e à região Ásia Pacífico, as vendas aumentaram 17 e sete por cento, respetivamente. Já na Europa, o cenário é bem diferente com uma queda de dois pontos percentuais. Ainda assim, no panorama geral, a indústria encontra-se no melhor momento possível, como explica John Neuffer, presidente e CEO da SIA. “A indústria global de semicondutores continuou a sua fase boa em Fevereiro, registando o seu 22º mês consecutivo de crescimento”, apesar das dificuldades macroeconómicas que se têm verificado.

O mês de fevereiro, já deste ano, trouxe consigo mais de 27 mil milhões de dólares em vendas do setor, o que representa um crescimento de sete por cento relativamente ao mesmo período do ano anterior.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor