IDC Directions 2015: Engenharia Social tem de ser encarada de forma mais séria

EmpresasNegóciosSegurança

O diretor informático da Gatewit, Carlos Bangueses, disse que as pessoas são o elo mais fraco da cadeia de informação e que podem ser a porta de entrada dos criminosos na infraestrutura da organização.

Os criminosos utilizam muitas vezes os funcionários como vetores de ataque à rede informática da organização, empregando técnicas de Engenharia Social para contornar as medidas de segurança aplicadas.

A Engenharia Social é dos elementos mais negligenciados pelas estratégias de cibersegurança, segundo Carlos Bangueses, diretor informático da Gatewit. Este método procura explorar as vulnerabilidades do carácter humano para ganhar acesso às redes informáticas das organizações.

Numa altura em que “a informação é um ativo crítico para a continuidade do negócio”, como referiu o CIO, é preciso que as organizações capacitem os seus profissionais para se protegerem, e consequentemente o negócio, contra técnicas da natureza da Engenharia Social.

O representante da Gatewit, olhando para o futuro, disse que se espera que sejam aplicadas em segurança informática maiores percentagens dos orçamentos de TI.

“ A segurança da informação é essencial para o sucesso do negócio”, declarou o CIO.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor