IBM encerra estrutura de mercados emergentes

Business IntelligenceData-StorageEmpresasNegócios

A IBM encerrou a unidade de mercados emergentes – a Growth Market Unit. A empresa encerrou esta divisão para se focar na regionalização dos negócios. Em outubro de 2013, a CEO Ginni Rometty fez mudanças na unidade de mercados emergentes. Na altura, a CEO  colocou Bruno Di Leo como líder global da GMU, para resolver o

A IBM encerrou a unidade de mercados emergentes – a Growth Market Unit. A empresa encerrou esta divisão para se focar na regionalização dos negócios.

Ginni RommetyEm outubro de 2013, a CEO Ginni Rometty fez mudanças na unidade de mercados emergentes. Na altura, a CEO  colocou Bruno Di Leo como líder global da GMU, para resolver o problema com as vendas e a falta de direcionamento correto para a estratégia de ida ao mercado.

Agora, a empresa decide encerrar a unidade. Dave Carlquist, vice-presidente global de canais do grupo de sistemas e tecnologia da empresa explicou que a partir de agora, a divisão dos territórios globais pela IBM é feita de uma forma mais centrada.

Grande China, Ásia Pacífico, Europa, Oriente Médio e África (EMEA), e América Latina são as unidades que respondem diretamente para a matriz da corporação.

“Não ter a GMU não muda o compromisso com o crescimento desses mercados. Pelo contrário, teremos mais foco e especializações regionais, sem, por exemplo, fazer o mercado latino responder para a China. Assim, conseguimos tratar esses mercados como únicos em diversas formas”.

A empresa volta assim a ter a mesma estrutura hierárquica que possuía há dez anos, mas agora está mais bem preparada para lidar com os seus mercados.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor