Hoje é o Dia da Internet Mais Segura: educar nunca foi tão importante

Segurança

Mais de 100 países assinalam esta terça-feira o Dia da Internet Mais Segura – Safer Internet Day – com eventos, conselhos e uma chamada de atenção para o estado das coisas no que toca a segurança online.

Este dia é promovido pela European Internet Safety Network (InSafe) e pela International Association of Internet Hotlines (INHOPE), com o apoio da Comissão Europeia. O tema deste ano é “Faz a Tua Parte, por uma Internet Melhor” e tem como foco principal as crianças e jovens, além da consciencialização dos cidadãos para uma utilização mais segura da Internet. Apesar de ter nascido na Europa, o Dia da Internet mais Segura é agora verdadeiramente internacional.

Em Portugal, o evento é coordenado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, que é responsável pelo consórcio Centro Internet Segura. Uma vez que o Dia da Internet Mais Segura este ano cai na terça-feira de Carnaval, o consórcio organizou um seminário dedicado ao evento na semana passada, sob o mesmo tema – “Faz a Tua Parte por uma Internet Melhor.”

A FCT foi mesmo mais longe e declarou fevereiro como o Mês da Internet Mais Segura, motivo pelo qual está a convidar todas as entidades interessadas a celebrar este período com ações de sensibilização dirigidas às comunidades locais. Através do registo na plataforma do consórcio, as entidades poderão aceder a materiais promocionais de forma gratuita.

Na plataforma Internet Segura está disponível a Linha Ajuda, que dá apoio telefónico, via correio eletrónico ou chat com a garantia de anonimato, e um mapa de atividades nas escolas durante o mês de sensibilização.

É também possível aceder a informações importantes sobretudo para crianças, jovens, pais e professores. Estão disponíveis conselhos para reforçar a segurança da utilização da Internet numa série de cenários, desde sites peer-to-peer a smartphones e redes sociais. As ameaças que pesam sobre os utilizadores da web são cada vez mais diversificadas: cyberbullying, phishing e engenharia social, códigos maliciosos para smartphones, falta de segurança em aparelhos conectados (wearables, Internet das Coisas), ataques direcionados, redes Wi-Fi inseguras, monitorização através de Bluetooth – a lista continua.

Um dos problemas no que toca às crianças é que continuam a conseguir abrir contas em redes sociais apesar de não terem a idade indicada nos termos e condições de serviço. Uma situação que abre as portas a um universo com o qual não estão ainda preparados para lidar e que os torna em potenciais vítimas de predadores online. A monitorização dos pais e a educação nas escolas são vistas como cruciais na minimização deste problema.

No panorama internacional, há eventos e várias iniciativas privadas – a Google, por exemplo, vai dar 2 gigas extra de armazenamento na Drive a quem completar o checkup de segurança à sua conta. Em Hollywood, haverá um mega evento com 300 estudantes californianos e palestras de celebridades, como a estrela do Instagram Leo Sheng, o lutador WWE Mike “The Miz” Mizanin, a fundadora da Crash Override Network Zoë Quinn e a CEO da Digital Shepherds Tshaka Armstrong.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor