Gowex declara bancarrota e ex-CEO enfrenta pena de prisão

Negócios

A espanhola Gowex, fornecedora de serviços wireless, começou bem a semana quando hoje declarou falência, uma semana após terem sido descobertas atividades fraudulentas na empresa, e o seu fundador e ex-CEO poderá mesmo chegar a enfrentar mais de dez anos de prisão. De acordo com a firma de advogados Velez & Urbina, responsável pela defesa

A espanhola Gowex, fornecedora de serviços wireless, começou bem a semana quando hoje declarou falência, uma semana após terem sido descobertas atividades fraudulentas na empresa, e o seu fundador e ex-CEO poderá mesmo chegar a enfrentar mais de dez anos de prisão.

gowex

De acordo com a firma de advogados Velez & Urbina, responsável pela defesa da empresa e do seu diretor executivo Jenaro Garcia Martin, a Gowex não tinha outra solução senão declara falência, tendo em conta que não tinha forma de saldar as dividas que contraíra e que enfrentava uma “estagnação financeira”, fruto do término de vários contratos e do cancelamento de uma multiplicidade de novos projetos.

Martin, no passado dia seis de julho, dissera que havia, com efeito, manipulado a situação financeira da empresa durante, pelo menos, os últimos quatro anos. Na semana passada fora, então, acusado de falsificações contabilísticas, distorção de informação económica e financeira, e de utilização abusiva de informação privilegiada.

Depois de no início do dia de hoje ter testemunhado ante o Tribunal, Martin viu o seu passaporte ser confiscado e foi proibido de deixar Espanha.

Foi também ordenado a comparecer todas as semanas perante um tribunal e foram-lhe dadas duas semanas para pagar os 600 mil euros de fiança ou enfrentará mais de uma dezena de anos atrás das grades.

Santiago Peraz, o juiz de instrução do Tribunal Superior, disse que Jenaro Garcia Martin tinha pelo menos três milhões de euros numa conta bancária em Luxemburgo.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor