Google e YouTube com novas formas de combate aos conteúdos extremistas

e-MarketingGestão

A Google e o YouTube anunciaram hoje que estão a implementar quatro novas formas de combate ao terrorismo e ao conteúdo extremista online, estando empenhados em ajudar governos, agentes de autoridade e grupos da sociedade civil a travar a disseminação da violência e do ódio.

Kent Walker, Senior Vice President & General Counsel da Google, indicou num post que “a desconfortável verdade é que, nós, enquanto indústria, temos de reconhecer que temos de fazer mais. Agora”.

A empresa anunciou quatro novas medidas e que vai expandir a sua colaboração com grupos contra-extremistas para identificar o conteúdo que pode ser usado para radicalizar e recrutar extremistas.

As novas “armas” da Google contra o terrorismo online são:

  • Maior número de recursos para ajudar a identificar, mais rapidamente, os vídeos extremistas e relacionados com terrorismo;
  • Aumento do numero de especialistas independentes no programa YouTube Trusted Flagger, o que irá permitir beneficiar do know how de organizações especializadas na identificação de questões relacionadas com discursos de ódio e terrorismo; 
  • Atitude mais rígida relativa aos vídeos que violam as suas políticas, que serão previamente alvo de avisos intersticial, não serão monetizados nem recomendados ou elegíveis para comentários e partilhas de utilizadores.  
  • E por último, o YouTube vai expandir o seu papel no que diz respeito aos esforços no combate à radicalização e ao recrutamento com base no programa Creators for Change.

O responsável da Google indicou, ainda, que vão colaborar com o Facebook, Twitter e a Microsoft, entre outros players da indústria, para estabelecer um fórum internacional e desenvolver tecnologia que ajude as empresas mais pequenas e, assim, acelere os esforços para combater o terrorismo online.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor