Google reforça combate à pirataria

BrowserEscritório

A Google anunciou um reforço das medidas de combate às infrações aos direitos de autor. A gigante publicou um relatório no qual explica o que está a fazer para proteger a “criatividade online.”

Em “How Google Fights Piracy“, a empresa que explica as atualização que tem feito para garantir que as comunidades criativas são de alguma forma protegidas. O Google domina, de longe, a pesquisa na Internet – o que significa que muitas infrações são cometidas depois de uma busca no seu motor.

“Levamos muito a sério a protecção da criatividade online e estamos a fazer ainda mais para ajudar a combater as infracções aos direitos de autor”, escreveu Katie Oyama, conselheira sénior da Google, no blogue da empresa. Estas são as ferramentas que a tecnológica está a utilizar:

Content ID

Vai além de um sistema básico de ” notificação e remoção” e disponibiliza um conjunto de ferramentas automatizadas que habilita os proprietários dos direitos de autor a identificarem automaticamente o seu conteúdo e escolherem se pretendem monitorizar, bloquear ou monetizar o vídeo no YouTube.Mais de 98% de gestão dos direitos de autor no YouTube ocorre através do Content ID, sendo que apenas 2% é gerido através das notificações para remoção. Cerca de 90% dos pedidos do Content ID resulta em modelização, sendo a única plataforma que proporciona aos parceiros uma forma automatizada para monetizar directamente o uso background/ acidental e as covers.

Encorajar consumo legal

“A melhor maneira de combater a pirataria é com alternativas mais convenientes e legítimas”, refere Oyama. Através do YouTube e do Google Play, os utilizadores podem descobrir, comprar e apreciar legitimamente música, filmes, livros, revistas e aplicações. O Google Play já pagou mais de 7 mil milhões de dólares a programadores enquanto o YouTube já pagou mais de 3 mil milhões de dólares à indústria da música.

Resolução para pesquisar 

Graças aos esforços dos engenheiros da Google, a grande maioria das buscas relacionadas com média que os utilizadores fazem diariamente apresentam resultados apenas com links para sites legítimos. Nos casos de links problemáticos que possam aparecer relativos a mais raras pesquisas apelidadas de long-tail , os sistemas de processamento de notificações de remoção de direitos de autor e que lidam com milhões de URL diariamente funcionam, em média, em menos de 6 horas. E, quando recebem um grande número de notificações válidas para um site, os algoritmos de ranking de pesquisa despromovem esse site em futuras pesquisas.

Seguindo o dinheiro

Os sites maliciosos especializados na pirataria online são negócios comerciais, o que significa que uma maneira efectiva de os combater é cortar-lhe as fontes de receitas. Como lidera a publicidade online, a Google está a tentar erradicar e retirar os sites maliciosos dos seus serviços de publicidade. Desde 2012, a Google já bloqueou mais de 91.000 sites no AdSense por violarem as  políticas contra a infração dos direitos de autor, na grande maioria dos casos, detetados por sistemas proactivos do AdSense. Também está a trabalhar com outras empresas de publicidade para elaborar as melhores práticas destinadas a elevar os padrões em toda a indústria de publicidade online, incluindo nos EUA, Reino Unido, França, Itália e Ásia.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor