Google quer reduzir preços de comunicações internacionais

Negócios

A entrada da Google no mercado das comunicações móveis pode chegar também com a redução da conhecida taxa de roaming. Por agora, o projeto é apenas para os Estados Unidos mas uma possível parceria com a Hutchinson Whampoa poderá abrir portas ao mercado europeu. Quando, no último mês, a Google anunciou oficialmente o alargamento da

A entrada da Google no mercado das comunicações móveis pode chegar também com a redução da conhecida taxa de roaming. Por agora, o projeto é apenas para os Estados Unidos mas uma possível parceria com a Hutchinson Whampoa poderá abrir portas ao mercado europeu.

google-neon

Quando, no último mês, a Google anunciou oficialmente o alargamento da sua área de negócios tornando-se numa operadora de comunicações móveis, não foram revelados muitos pormenores. A apresentação no Mobile World Congress permitiu apenas confirmar que o novo negócio funcionará seguindo o modelo MVNO – Mobile Virtual Network.

No entanto, de acordo com fontes do jornal The Telegraph, a Google quer implementar outras medidas que poderão torná-la numa forte concorrente das restantes operadoras norte-americanas. As informações reportadas indicam que a empresa estará em conversações com a Hutchinson Whampoa, proprietária da operadora britânica Three, tendo em vista a colaboração internacional.

Uma parceria entre ambas resultaria na possibilidade dos utilizadores norte-americanos utilizarem os seus telemóveis, no estrangeiro, sem que, para isso, sejam obrigados a pagar custos extra. As taxas de roaming também têm sido alvo de discussão na União Europeia com o conselho de membros a querer adiar a extinção das mesmas.

O objetivo da Google é dar aos seus clientes o mesmo plano de dados que utilizam nos EUA, para que não saiam prejudicados durante as férias ou viagens de trabalho. No entanto, o caminho para chegar até à concretização poderá ser dificultado por barreiras burocráticas.

Por agora, de acordo com as mesmas fontes, o modelo será testado apenas dentro das fronteiras do país mas o plano é criar uma rede global sem discriminação de preços.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor