Google compra startup de realidade virtual Eyefluence

InovaçãoNegóciosStartup
0 0 Sem Comentários

A Google comprou a especialista em rastreamento ocular para ambientes de realidade virtual Eyefluence, por uma quantia não revelada. A aquisição valida rumores que têm circulado com maior ou menor intensidade sobre os planos da gigante de desenvolver o seu próprio sistema de realidade virtual.

A compra foi anunciada pela própria Eyefluence no seu site. A empresa foi fundada há apenas três anos, com a missão de “transformar intenção em ação através dos olhos.” Isto é, criar uma forma natural e intuitiva de interagir com dispositivos de realidade virtual e aumentada. A Google, como se sabe, foi das primeiras a inventar um sistema muito barato de realidade virtual, o Google Cardboard.

“Nos últimos três anos e meio construímos uma equipa incrível, avançamos a nossa tecnologia de interação com o olhar, e criamos fortes parcerias que nos levaram ao desenvolvimento de uma linguagem completamente nova para a interação ocular”, escreveu a Eyefluence no anúncio da compra.

“Com as nossas forças combinadas, vamos continuar a avançar a tecnologia de interação com o olhar para expandir o potencial humano e a empatia numa escala ainda maior”, sublinhou a empresa. “Estamos entusiasmados com as inovações que criaremos juntos e poderão mudar as nossas vidas.”

De acordo com os rumores, o headset que a Google planeia lançar não irá necessitar de conexão ao smartphone ou computador para funcionar. E, de acordo com essas especulações, também não será uma plataforma ligada ao Google Dadydream View, que chegará, em novembro, ao mercado.

O que é, então? Ninguém tem a certeza, mas a notícia da compra da Eyefluence chega muito pouco tempo depois de o site Engadget ter publicado um artigo indicando que a empresa está a trabalhar num headset e que este terá rastreamento do olhar. Além do mais, a Google entregou no regulador FCC um pedido de autorização para o protótipo de um dispositivo que parece bater certo com estes rumores.

O certo é que a Google está mais interessada em um dispositivo que permita ao utilizador continuar a ver o mundo real, à semelhança do conceito presente no HoloLens da Microsoft e do futuro Project Alloy da Intel.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor