Fujitsu Fórum: nuvem, aquisição e inovação em ação

CloudInovaçãoNegócios

Todos os anos, em Munique, a Fujitsu reúne parceiros, clientes e imprensa para dar a conhecer as novidades, tendências e reafirmar estratégias. Este ano, a empresa nipónica acrescentou “ação” à inovação centrada no ser humano, apresentou a sua nova nuvem “MetaArc”, anunciou a compra da UShareSoft e, no final, um miminho: o topo de gama dois-em-um Stylistic R726.

*em Munique

Oito décadas. Há 29.200 dias, mais coisa menos coisa, que a Fujitsu atua no mercado das Tecnologias de Informação, fosse lá o que isso fosse há 80 anos. E não deixa de ser “curioso” o percurso globalizador que esta empresa tipicamente nipónica tem vindo a fazer. A personalização dessa globalização chama-se Duncan Taitcorporate executive officer da EMEIA na Fujitsu e o primeiro executivo não-japonês a integrar a administração. Um facto culturalmente muito importante e que veio reafirmar a veia “europeia” da Fujitsu que já representa cerca de 20% das vendas globais.

Todos os anos, em Munique, a empresa reúne parceiros, clientes e imprensa para dar a conhecer as novidades, tendências e reafirmar estratégias. E, nos últimos anos, o discurso tem apontado no sentido da era hiperconetada ir gerar uma revolução digital que criará um mundo onde as fronteiras existentes entre setores, entre físico e digital, empresas e indivíduos, irão praticamente desaparecer. Basicamente, a Fujitsu defende uma visão na qual conceitos como cloud, mobilidade, Big Data, redes sociais e a Internet das Coisas vão ajudar a construir uma Sociedade Inteligente Centrada no Ser Humano. E onde a Inovação, chamemos-lhe “Humanocêntrica”, é vital. Pois este ano, à inovação centrada no ser humano juntaram-lhe o “em ação”. Ou seja, parece que é desta.

Voltemos a Munique, onde hoje mais 10 mil pessoas de 80 países tomaram “de assalto” o Centro de Congressos. À imprensa, Duncan Tait – que entrevistamos em exclusivo em julho passado, em Madrid – garantia que a Fujitsu está a tornar-se ainda mais global, mais virada para os serviços e para a inovação digital. Aliás, e parece ser uma postura que se torna comum à indústria – o futuro é a digitalização. O que não é propriamente um “discurso” novo mas que tem vindo a subir de tom. Lá está, provavelmente a entrar em ação, como diz a Fujitsu.

Mas essa digitalização enfrenta desafios massivos, com as economias mundiais a estarem tudo menos, ainda mais abaladas pelos recentes eventos ligados a atos terroristas que assolaram a Europa.

Mas de uma coisa Duncan Tait se congratulou no encontro com a imprensa: hoje, as TI estão nas agendas dos governos e dos negócios de uma forma global. “O desejo de uma vida tornou-se realidade”, disse o executivo, exemplificando que na passada semana, em Londres, um encontro com 20 altos executivos, temas como cibersegurança ou digitalização foram amplamente discutidos. “Os bancos sentem o seu negócio em perigo, sabem que têm de avançar para a era da digitalização para sobreviver. E acredito que os governos, hoje, já têm a mesma perceção.

Na sessão de abertura, o presidente Tatsuya Tanaka reforçou o esforço da empresa em desenhar o futuro e a nova era digital com os seus clientes e parceiros, garantindo no entanto que a Inovação Centrada no Ser Humano estará sempre no “coração” desta evolução. “Gerar inovação está no DNA da Fujitsu”, esclareceu.

Para isso, para endereçar e ativar esta transformação Digital, a empresa anunciou – um dos quatro grandes anúncios — que a inovadora disponibilização de serviços da Fujitsu está a permitir a transformação do local de trabalho digital da Schneider Electric. A especialista global em gestão de energia e automatização, selecionou a empresa nipónica para fornecer a transformação a longo prazo, ponta-a-ponta, dos seus locais de trabalho e serviços onsite em mais de 80 países da Europa, Médio Oriente, África e América do Sul (mais de 50.000 utilizadores) com um período de transição de 16 meses já em curso.

Uma nova nuvem chamada MetaArc

Outro mega lançamento foi a denominadoa MetaArc, algo que com certeza iremos ouvir falar nos próximos tempos. Foi apresentada como sendo uma Plataforma de Negócios Digitais, que tem por grande objetivo lançar os alicerces sólidos para os negócios cloud e digitais do futuro. Segundo a empresa, será através desta plataforma que os clientes irão abraçar a digitalização com confiança, combinando uma visão para a evolução das plataformas cloud, soluções e serviços geridos existentes com uma integração e capacidades de orquestração sem rival dos serviços cloud da Fujitsu e de terceiros.

Fujitsu compra UShareSoft

É o dois em um, esta compra. Com a aquisição da UShareSoft, SAS, a Fujitsu acelera ainda mais a expansão do seu negócio cloud global e estabelece um novo centro de I&D de serviços cloud na Europa. A empresa avançou aqui em Munique que  vai incorporar o produto de software primário da UShareSoft, o UForge, nos serviços de construção automatizada da Fujitsu Cloud Service K5, um produto base da MetaArc, para dar origem a mais eficiências na construção, migração e disponibilização de sistemas em ambientes multi-cloud. O objetivo é que juntamente com a Fujitsu Enabling Software Technology GmbH e a Fujitsu RunMyProcess SAS, esta aquisição vai fazer com que o perfil da Fujitsu no mercado cloud global seja ainda mais saliente.

Por último, um “miminho”. O novo topo de gama Stylistic R726Um “dois em um” topo de gama que combina tablet e PC.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor