Facebook quer distribuir Internet em África através de satélite

e-MarketingProjetosRedesRedes SociaisService-Provider

O Facebook vai passar a fornecer Internet a países da África subsariana através de um satélite da operadora francesa Eutelsat, que deverá ser lançado ainda este ano. A rede social está já a colaborar com fornecedores locais para que as populações de zonas remotas possam ter acesso aos seus serviços através do satélite.

Na sua página do Facebook, o CEO Mark Zuckerberg anunciou, ontem, o primeiro projeto da rede social para fornecer Internet via satélite. Este é um dos primeiros grandes passos da iniciativa Internet.org, criada pelo Facebook em 2013, que visa levar a Internet aos quatro cantos da Terra, e até aos locais mais remotos e isolados.

Na mensagem, Zuckerberg diz que, ao longo do último ano, o Facebook tem investigado formas de transformar as aeronaves e os satélites em difusores de acesso à Internet por todo o planeta. Esta visão será concretizada, pelo menos em parte, pelo satélite geostacionário AMOS-6, atualmente em desenvolvimento, que vai disponibilizar o acesso à World Wide Web em países do sul, oeste e leste de África, onde as infraestruturas tradicionais, a existirem, são insuficientes para permitir que comunidades mais isoladas tenham acesso a uma panóplia de serviços.

Apesar de se propor a “conectar o mundo”, como escreveu Zuckerberg, a iniciativa Internet.org não tem sido visto com bons olhos por alguns, que acusam-na de violar os preceitos estabelecidos pela neutralidade da Internet e de veicular uma versão “facebookiana” da rede.

A Eutelsat, em nota, afirma que o satélite começará a funcionar no segundo semestre do próximo ano e que a parceira multianual estabelecida com o Facebook vai permitir potenciar a conectividade dos muitos utilizadores “privados dos benefícios económicos e sociais da Internet”.

O controlo do satélite será partilhado entre as duas empresas, de acordo com a Eutelsat. A empresa parisiense explicou que a parceria vai permitir fazer crescer o seu negócio de banda larga na África subsariana, que teve início com os seus satélites Ku-band que endereçavam as necessidades de conectividade para o meio profissional.

O Facebook vai colaborar com parceiros da região para que estes possam utilizar o satélite para difundir os seus serviços às populações de áreas rurais.

Informa a Computerworld que o desenvolvimento do AMOS-6 ronda os 200 milhões de dólares.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor