Facebook investe em serviços de mensagens

Software

O Facebook, a maior rede social do mundo, está a pôr em prática uma estratégia versátil que lhe permitirá conquistar aquele grupo de utilizadores de dispositivos móveis que procura sempre novos serviços de mensagens instantâneas. Numa altura em que o email está a tornar-se tão obsoleto como o pombo-correio, pelo menos entre os cidadãos digitais

O Facebook, a maior rede social do mundo, está a pôr em prática uma estratégia versátil que lhe permitirá conquistar aquele grupo de utilizadores de dispositivos móveis que procura sempre novos serviços de mensagens instantâneas.

facebook mensagens

Numa altura em que o email está a tornar-se tão obsoleto como o pombo-correio, pelo menos entre os cidadãos digitais mais jovens, o Facebook está a apostar em novos serviços de mensagens instantâneas, pelo que, nos últimos cinco meses, a empresa liderada pelo jovem multimilionário Mark Zuckerberg, tem estado a potenciar o seu segmento de Instant Messaging (IM).

Assim, em fevereiro, o Facebook trouxe para a sua alçada a aplicação de mensagens instantâneas WhatsApp, um negócio de 1,9 mil milhões de dólares.

Mais recentemente, no passado dia dez de junho, a rede social anunciou que havia contratado o presidente do serviço de pagamentos online PayPal, que juntar-se-á ao Facebook em breve, para tomar o leme de uma série de programas no âmbito das mensagens instantâneas, sendo um deles, muito provavelmente, a reestruturação do Messenger da rede social para a elevar acima de todas as outras aplicações de IM.

Tanto o WhatsApp como o Messenger permitiram que o Facebook afincadamente marcasse a sua presença na dimensão dos serviços mobile de mensagens instantâneas.

Então, duplamente munido destas aplicações, o Facebook poderá, de certa forma, escudar-se de funcionalidades rivais como o WeChat da chinesa Tencent e o Line da sul-coreana Naver.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor