Os perigos da IoT aos olhos de Eugene Kaspersky

Segurança

Numa entrevista recente à NBC News, Eugene Kaspersky, ícone da segurança informática e fundador da quarta maior empresa de antivírus do mundo, expressou os seus receios em relação à internet das coisas, chamando-lhe “a internet das ameças”.

Apesar de o mundo ansiar pelo momento em que os dispositivos do quotidiano estarão conectados, Kaspersky voltou a alertar para os perigos desta transformação. Segundo o especialista em segurança informática, a internet das coisas vai criar novas portas para os hackers se infiltrarem nas casas e empresas.

“Tenho receio de que, num futuro próximo, assistiremos a incidentes muito graves, talvez mesmo globais, provocados por ataques dirigidos a sistemas Mac ou Android”, disse.

Mas os ataques podem também estender-se a equipamentos com câmara. Os hackers podem, por exemplo, infiltrar-se numa televisão inteligente para difundir uma mensagem a exigir um resgate, para que em troca as vítimas possam continuar a ver televisão.

Como explicou Kaspersky, “escolha qualquer dispositivo – e pense sobre os possíveis cenários para ataques criminais, e no tipo de lucro que daí podem retirar”. Isto inclui roubar detalhes de uma conta de mobile banking ou obter dados médicos a partir de um smartwatch ou equipamento de fitness.

Eugene Kaspersky avançou que, apesar de as empresas de segurança analisarem os possíveis cenários criminais relativamente a um novo dispositivo, como uma “smart TV”, é de esperar que os criminosos os ataquem também no futuro.

A Kaspersky Lab revelou recentemente que detetou 2,2 mil milhões de ataques a computadores e dispostivos móveis só no primeiro quadrimestre de 2015, o dobro do volume bloqueado em igual período do ano passado.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor