Estudo revela tendências digitais em Portugal

e-MarketingMobilidadeRedes Sociais

A Hill+Knowlton Strategies apresentou um novo estudo trimestral sobre o comportamento dos utilizadores de Internet em Portugal, em parceria com a GlobalWebIndex, promotora em 34 países do maior estudo sobre consumidores digitais. O estudo mostra o que fazem os portugueses online, bem como as marcas de tecnologia e de smartphones que é mais provável usarem.

O estudo analisa uma quantidade diversa de atitudes, comportamentos e interesses. Demonstra ainda de que forma os utilizadores de Internet em Portugal se comparam com os seus congéneres europeus e mundiais. Os principais temas incluem as redes sociais mais populares em Portugal, quantas pessoas têm smartphones, tablets e wearables, quanto tempo por dia dedicam aos media digitais por comparação com os media tradicionais e quantos compram online.

As principais conclusões das duas primeiras vagas do estudo incluem:

  • Os utilizadores de Internet em Portugal passam uma média de 5.93 horas por dia online, e destas 1.52 horas através de telemóveis.
  • Os consumidores digitais portugueses utilizam, tipicamente, as redes sociais durante 1.9 horas por dia, sendo que 1 em cada 3 minutos online é passado numa rede social. Em média, os portugueses estão inscritos em quatro redes sociais, mas utilizam ativamente apenas uma média de 2.3.
  • O Facebook é a rede social mais popular em Portugal, com mais de 90 por cento dos utilizadores de Internet a afirmarem ter uma conta neste serviço, 89 por cento a visitá-la todos os meses e 65 por cento a afirmar que a utiliza ativamente. No entanto, o YouTube é a rede que tem o maior número de visitantes numa base mensal, mostrando a importância dos conteúdos em vídeo para os portugueses.
  • Mais de três quartos dos utilizadores têm um smartphone e 55 por cento um tablet. A Samsung é a marca de dispositivos móveis mais popular, sendo que 31 por cento dos utilizadores afirma ter um modelo da marca e 17 por cento considera comprar um.
  • A tecnologia wearable é ainda um nicho, já que apenas 3 por cento dos utilizadores portugueses tem um relógio inteligente e apenas 2 por cento uma pulseira inteligente.
  • Os maiores utilizadores de Internet móvel em Portugal têm entre 16-24 anos, ligando-se à Internet uma média de 2.16 horas por dia através destes dispositivos. Isto significa que os consumidores mais jovens utilizam a Internet através do telemóvel durante 4.5 vezes mais tempo que o grupo mais velho (55-64) inquirido pela GlobalWebIndex.
  • O second-screening é uma atividade largamente utilizada em Portugal. Mais de três quartos dos utilizadores adultos afirmam que utilizam outro dispositivo enquanto veem televisão, com os computadores portáteis e os telemóveis a serem os dispositivos mais utilizados para o second-screening. Neste contexto, o mais provável é que os utilizadores portugueses estejam a ver as redes sociais ou a falar com amigos.
  • O Facebook Messenger é a aplicação de conversação mais utilizada em Portugal (42 por cento usam-na todos os meses). Esta é seguida pelo Skype e pelo WhatsApp. No entanto, os mais jovens adoram o Snapchat – 35 por cento dos utilizadores entre os 16 e os 19 anos utilizam-no (em comparação com os 8 por cento registados a nível nacional).
  • No que respeita a televisão, a tradicional continua a reinar (2.19 horas por dia), mas a televisão online regista já uma média de 0.49 horas de visualização diária.
  • Mais de um milhão dos utilizadores em Portugal colocam-se invisíveis online através de Virtual Private Networks (VPNs). Os portugueses provavelmente fazem-no para poderem aceder a sites com restrições no trabalho, para se manterem anónimos ou para acederem mais facilmente a sites de conteúdo de entretenimento tais como o Netflix.
  • Quase metade dos utilizadores de Internet em Portugal compra produtos online, com 43 por cento a fazerem-nos através do computador, 10 por cento através dos telemóveis e 8 por cento através de tablets. Quase um quarto afirma ter publicado uma opinião online no último mês sobre um determinado produto.
  • Roupa é o que os portugueses mais compram ou pesquisam online. Entregas gratuitas é o fator que mais leva à compra online – 75 por cento afirma que a existência deste serviço os torna mais disponíveis para comprar algo através da Internet.
  • Os anúncios, tanto online como na TV/rádio, continuam a ser a maior fonte de descoberta de uma marca, mas mais de um quarto dos portugueses afirmam que as recomendações através das redes sociais também os levam a descobrir novos produtos.

Jason Mander, director of Research & Insight da GlobalWebIndex, refere, em comunicado, que “apesar destes resultados estarem ainda um pouco atrás da média global, com os utilizadores entre os 16 e os 24 anos a ligarem-se à internet móvel durante mais de 2 horas por dia, torna-se claro que Portugal será muito mais móvel nos próximos anos.”


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor