Eset identifica novo malware para USB que não deixa rasto

CyberwarFirewallGestãoSegurança

Os investigadores do laboratório Eset descobriram um novo malware do tipo Trojan que se propaga por meio da entrada USB dos computadores. Detetado como Win32/PSW.Stealer.NAI e apelidado de “Thief USB”, o código malicioso destaca-se pela sua capacidade de não deixar rastros no equipamento infetado.

De acordo com a Eset, na prática, o novo malware conta com mecanismos especiais que protegem a reprodução ou cópia do código malicioso, tornando mais difícil a sua detetação e análise. Num dos casos analisados ​​pela empresa, observou-se que a praga conseguiu roubar todos os arquivos de dados, incluindo imagens e documentos, registos inteiros de Windows (HKCU), listas de arquivos de todas as unidades e recolheu, ainda, informações utilizando uma aplicação de código aberto chamada “WinAudit”.

A atuação do malware é inusitada. Como é executado a partir de um dispositivo USB removível e não deixa rasto, as vítimas desconhecem que os seus dados foram roubados, uma vez que a ação é realizada mesmo sem o dispositivo estar conectado à web. Outra característica que torna esse código malicioso incomum é o facto de estar ligado a um único dispositivo USB, o qual impede a sua propagação para outros sistemas.

Além disso, o malware conta com uma criptografia sofisticada de múltiplas etapas que está ligada às características do dispositivo que o hospeda. Estas propriedades pouco comuns dificultam a sua deteção e análise.  O “Thief USB” pode ser armazenado como um plugin de uma aplicação portátil ou simplesmente como uma DLL do programa. Dessa forma, sempre que uma aplicação desse tipo for executada, o malware também será acionado em segundo plano.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor