ESET alerta para aumento de ataques ransomware em Portugal

CyberwarSegurança

A empresa de segurança Eset está a avisar os utilizadores portugueses do crescimento significativo de emails maliciosos com a intenção de instalar ransomware nos computadores. O código malicioso em causa é o Nemucod.

De acordo com a especialista, este ransomware bloqueia de imediato o acesso a todos os dados de utilizadores e empresas e exige um resgate para o desbloqueio. “As incidências deste malware têm sido especialmente altas na Europa, América do Norte, Austrália e Japão, sendo que em Portugal, o Nemucod já constituiu 27% de todas as ameaças detetadas pelos sistemas de proteção da Eset”, explica a empresa.

A ameaça chega por email disfarçada de fatura, aviso ou documento oficial. No caso de ser executada, tem a capacidade de instalar diversas formas de ransomware nos computadores das vítimas, levando a que utilizadores e empresas paguem avultadas somas de dinheiro para recuperarem os seus dados.

O ransomware é uma das ameaças que mais tem crescido e que as empresas de segurança preveem que continue a expandir-se este ano. Oos montantes médios pagos pelos utilizadores rondam os 200-300 euros e muitos acedem à chantagem, algo que torna a operação lucrativa. As autoridades pedem às vítimas que não cedam, mas até em casos mediáticos, como o de um hospital em Hollywood, o desfecho foi o pagamento do resgate.

Medidas de precaução

Os conselhos da Eset para evitar uma infecção com este ransomware específico ou outros são, além de uma solução antivírus instalada no computador:

  • Não abrir quaisquer anexos recebidos por email e que sejam provenientes de utilizadores desconhecidos
  • Fazer cópias de segurança regulares dos dados. Em caso de infecção, o utilizador conseguirá sempre recuperar o que perdeu. No caso de utilizar um disco externo, o ideal é que não esteja sempre ligado ao computador, para prevenir eventuais infeções
  • Proceder aos updates regulares do sistema operativo e todos os programas que tem instalados no computador.

Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor