Entrevista da Semana: Lenovo quer ser número dois de vendas em Portugal

Negócios

A Lenovo, maior vendedora de computadores a nível mundial, tem vindo a conquistar espaço no mercado ibérico. Em Espanha, após três anos de investimento, a marca já se encontra na segunda posição, logo a seguir à HP. Em Portugal, está num honroso 4º posto. Não chega, diz Juan Chinchilla, diretor-geral da Lenovo Iberia. Há que, também em terras lusas, ser o número dois.

* em Barcelona

“Há três anos, a dependência relativamente ao mercado chinês era enorme, mas agora já não. Entretanto, neste período de tempo, a EMEA foi a região que mais cresceu. O foco da companhia foi precisamente diversificar face ao mercado chinês e globalizar a empresa. E na EMEA conseguimos quadruplicar os níveis que tínhamos de quota de mercado”, revelou Juan Chinchilla.

Essa quota, a nível mundial, é hoje de 20,8%, segundo dados fornecidos pela própria empresa, sendo que na EMEA a marca chinesa é já a número dois, com uma quota de 19%. “As quotas são muito similares e estamos muito próximos do nosso principal concorrente na Europa”.

Em termos de negócio interno, 30% volume vem da Ásia, sobretudo China; Américas é responsável por 30%, EMEA 25% e APAC dá 15% à Lenovo.

Em Espanha, relativamente ao mercado global, a Lenovo é a segunda marca que mais vende, tendo terminado o ano com 20% de quota de mercado.

“Somos o fabricante que mais cresceu no mercado espanhol. No mercado profissional também somos o segundo fabricante e mantemos essa segunda posição há mais de dois anos consecutivos”.

Chinchilla assume que a aposta no mercado vizinho, de investir recursos para crescer, tem vindo a ser realizada nos últimos quatro anos, uma situação que acabou por “atrasar-se em Portugal”. “O foco no mercado português começou há cerca de um ano e meio e já estamos a ver algum crescimento. Atualmente, somos o quinto fabricante, com 8,8% de quota, tendo crescido mais seis pontos percentuais ano a ano. O crescimento foi muito forte em Portugal”, disse em entrevista à B!T.

No nosso país, há mais de um ano que a empresa incorporou Miguel Coelho para liderar o mercado profissional e, mais tarde, Carlos Cunha para o mercado de consumo. Atualmente, são cinco os profissionais em terras lusas. “Também já estabelecemos um escritório comercial, pelo que a nossa ideia é que, num tempo reduzido, teremos uma situação em Portugal igual à de Espanha”. Mais concretamente, em menos de dois anos o executivo quer equiparar a quota de Portugal à dos vizinhos espanhóis.

Hoje, Chinchilla diz que a Lenovo é reconhecida quer pelos parceiros quer pelo cliente pela sua inovação e qualidade dos seus produtos, o que dita o facto de ser a marca mais vendida em todo o mundo. “Por um lado, fomos capazes de manter a imagem, qualidade e robustez fruto da marca thinkpad da IBM e que nos permitiu atingir uma posição muito forte no mercado profissional”. Segundo Chinchilla, já se venderam mais de 100 milhões de unidades do produto thinkpad. “A isto, soma-se a aposta na inovação da Lenovo. Penso que atualmente não há um fabricante como nós, que tenha um portfólio de produto como o nosso e a cobertura nas diferentes áreas de mercado assim como uma aposta tão clara na inovação e na criação de soluções diferenciadoras para o mercado. Um exemplo disso é a linha Yoga, em que na sua última versão incorporamos um projetor”.

Efeito Windows 10

A parceria entre a Microsoft a Lenovo é bastante forte, diz o diretor-geral para Portugal e Espanha. Uma parceria fortalecida pelo facto da empresa chinesa ter apostado em desenvolver todas as suas soluções por forma a estarem preparadas para incorporar o novo sistema operativo, o Windows 10.

“É certo que a migração não está a ser tão rápida como se esperava, mas também é verdade que o Windows 8 se lançou em outubro e o Windows 10 antes do verão, quando a procura é, em geral, mais baixa”.

Mercado educativo

O mercado educativo é uma das grandes apostas da empresa, quer a nível corporativo mas muito a nível ibérico. “Criamos produtos dirigidos à educação, desde portáteis, tablets, produtos convergentes e soluções e serviços que rodam à volta deste setor”.

Chinchilla anunciou a assinatura de um acordo, em forma de aliança, com um fabricante de soluções de software para gestão de escolas. “Este software permite toda a interação entre as escolas e os alunos, seja a gestão da Informação, limitação de acessos a determinados recursos a determinadas horas do dia, possibilidade de fazer questionários aos alunos em tempo real, limitar o uso de aplicações… É um software dirigido mais ao mundo dos tablets, mas no futuro vemos nos portáteis e por isso estamos a desenvolver uma campanha bastante intensa para oferecer una solução de valor. Não só de hardware, mas de valor”.

Para mostrar o seu compromisso, Chinchilla comentou que na passada semana, num congresso que se realizou precisamente em Portugal, a Lenovo foi o principal patrocinador e único partner tecnológico. “Estiveram presentes mais de mil centros educativos e empresas ligadas ao mundo da educação, tanto de Espanha como de Portugal. Falou-se de novidades no campo das soluções de educação e a Lenovo vai ser o prescritor no que diz respeito a soluções tecnológicas e que demonstra o nosso compromisso”.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor