EIT Health vai investir dois mil milhões em ideias inovadoras na saúde

InovaçãoProjetos

O programa europeu vai apoiar ideias e projetos inovadores nas áreas da saúde associadas a um envelhecimento ativo.  Ontem, Instituto Pedro Nunes (IPN) e a Universidade de Coimbra (UC) apresentaram os três projetos portugueses já aprovados.

Promovido pelo EIT – European Institute of Innovation and Technology, este programa tem como objetivo é melhorar a qualidade de vida dos cidadãos europeus e a promoção da sustentabilidade dos sistemas de saúde num contexto do envelhecimento da sociedade europeia.

O EIT Health tem um orçamento de dois mil milhões de euros para investir no desenvolvimento de novos produtos e soluções inteligentes e conta com 140 parceiros distribuídos por toda a Europa. O IPN, a UC e o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra estão envolvidos no EIT Health Innostars, formado por clusters regionais de parceiros de vários países que representam a indústria, a academia e os provedores de saúde com o objetivo de maximizar o potencial destas regiões.

Em 2018, graças ao  EIT Health prevê-se que existam  45 novos produtos/serviços, apoiadas 250 startups e obtidos mais de 10 milhões de euros em investimentos diretos. 

Os programas do EIT Health, que estão ao alcance de parceiros do consórcio, empreendedores e empresas, encontram-se divididos em três categorias: “Campus” na área da educação e dirigido a estudantes, profissionais, executivos e cidadãos; “Accelerator”, um programa de criação de empresas e “Innovation Projects” para apoiar ideias que atendam a uma necessidade específica relacionada com promoção da vida saudável, o envelhecimento ativo e as melhorias nos cuidados de saúde.

As candidaturas aprovadas terão as seguintes oportunidades: desenvolver o seu negócio com a colaboração de especialistas; apresentar o projeto a investidores e a empresas da área da saúde; facilitar o acesso a novos mercados e aceder a uma rede vastíssima de key players de referência no setor de saúde europeu.

Projetos portugueses já foram aprovados pelo EIT Health

Na sessão de apresentação do EIT Health, foram dados a conhecer três projetos portugueses que receberam o apoio deste programa: InEye, SwitHome e LifeTag.

A ser desenvolvido na Universidade de Coimbra e vencedor da iniciativa PhD Transition Fellowships do programa Campus, o InEye consiste num dispositivo de administração de fármacos que promete substituir a aplicação diária de gotas para olhos em, por exemplo, doentes com glaucoma ou em recuperação de cirurgias às cataratas. Semelhante a uma pequena pérola e colocado no interior da pálpebra inferior do olho, o InEye permite que o fármaco possa ser libertado durante sete a 300 dias, não havendo desperdício (no caso das gotas há um desperdício de 75%).

Vencedor do programa Innovation by Ideas e que teve origem na Universidade de Coimbra, o projeto SwitHome, que foi submetido ao EIT Health com a liderança do IPN, permite aos centros de reabilitação aumentar o número de pacientes em tratamento com dificuldades na marcha, após acidente vascular cerebral, sem que seja necessário aumentar os recursos humanos ou a sua infraestrutura. O SwitHome possibilita que parte da reabilitação seja realizada em casa com recurso a uma solução composta por palmilhas inovadoras de mapeamento de pressão de alta resolução e uma aplicação móvel e plataforma web de interface entre o paciente e o terapeuta que permite realizar exercícios de correção da marcha, fornecendo feedback em tempo real aos pacientes, bem como disponibilizando o seu estado de progresso ao terapeuta. Deste modo, algumas das sessões de reabilitação são realizadas em casa com a ajuda de um cuidador, dispensando o envolvimento em tempo integral do terapeuta.

A LifeTag, que venceu o programa Accelerator, é uma startup portuguesa sediada no Biocant de Cantanhede focada em investigação e desenvolvimento de tecnologias não-invasivas para a avaliação do metabolismo e diagnóstico de condições patológicas relacionadas com diversas doenças metabólicas altamente incidentes, nomeadamente diabetes, obesidade, síndrome metabólica, inflamação aguda e crónica, entre outras.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor