Como proteger o smartphone na era da geolocalização

CyberwarSegurançaVírus

Há cada vez mais aplicações que requerem acesso aos dados de localização do smartphone. Na prática, a geolocalização do utilizador pode abrir um mundo de problemas de segurança e privacidade. Perguntámos à ESET como garantir níveis satisfatórios de proteção.

O responsável de marketing da empresa de segurança, Bruno Fonseca, explica que algumas das maiores ameaças podem vir em ataques de engenharia social, nos quais a informação da geolocalização é um trunfo para o cibercriminoso. Entre as situações que tornam mais perigoso o uso de aplicações que acedem à localização do utilizador estão a instalação de apps a partir de lojas não oficiais, a utilização de redes Wi-Fi públicas ou hotspots duvidosos e a falta de updates no sistema operativo.

“Importa salientar que os riscos não estão nas aplicações propriamente ditas, uma vez que na sua maioria possuem políticas muito rígidas de confidencialidade de dados, mas sim nas ameaças informáticas e cibercriminosos que estão sempre à espera de obterem lucro com os dados alheios”, refere Bruno Fonseca.

Estas são alguns dos conselhos da Eset para proteger o smartphone, com foco para quem utiliza Android – não só porque é o sistema dominante, com 80% do mercado, mas também por que é o alvo de cerca de 98% dos código maliciosos móveis.

1. Instale as aplicações a partir da Google Play ou outras lojas conhecidas

Existem boas razões para se instalarem aplicações que não vêm da Google Play, App Store ou Microsoft Store, por exemplo se o chefe pedir uma app específica para o trabalho que não está disponível nestas lojas. “Porém, se não for este o caso, recorra sempre às lojas oficiais. Não instale também ficheiros estranhos a partir de hiperligações que possa receber por email ou SMS.”

2. Não assuma que está seguro por estar a utilizar um smartphone em vez de um computador

Fique atento e não caia nos truques mais comuns de engenharia social. Abrir hiperligações, downloads e anexos no Android pode ser tão arriscado como fazê-lo no PC.

3. Ter o sistema operativo em dia

Deverá proceder ao update sempre que surgir uma notificação, quer se trate do sistema operativo ou de uma aplicação. Os programadores lançam regularmente atualizações para corrigirem falhas de segurança e melhorarem o funcionamento de programas e sistemas.

4. Verifique as permissões de cada app

Quando instala uma aplicação Android surge uma lista de permissões – as funções a que a app poderá aceder. Permissões como “acesso total à rede” ou a capacidade de enviar e receber SMS devem funcionar como um alerta para um utilizador. É normal que a aplicação do Facebook peça vários acessos, mas se um protetor de ecrã quiser aceder à lista de chamadas e ao envio de SMS algo não bate certo.

5. Analise os ficheiros antes de os instalar

Certifique-se que tem um software antivírus instalado no sistema operativo Android e utilize-o para analisar as aplicações antes de as instalar.

6. Utilize redes Wi-Fi seguras

Se estiver a utilizar uma rede Wi-Fi no exterior, por exemplo, em hotéis e cafés, pode estar em perigo. Os cibercriminosos poderão colocar-se entre si e o servidor, através de um ataque conhecido por Man-in-the-Middle (MiTM), de modo a conseguirem roubar dados ou servirem malware.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor