Colaboração ganhará impulso em 2016. Confira 7 tendências tecnológicas

EmpresasNegóciosSoftware

A Polycom apresenta as suas sete previsões em colaboração e acredita que elas transformarão ainda mais o local de trabalho do futuro. A empresa destaca que 2015 foi um ano-chave para o segmento, com grandes mudanças no cenário colaborativo, incluindo o aumento no uso de ferramentas em companhias globais. Para 2016, veja a seguir o que a empresa estima para o modelo de colaboração.

  1. A Geração Y molda o local de trabalho do futuro: A questão sobre qual geração terá o maior impacto sobre o local de trabalho do futuro foi respondida. São colaboradores naturais e gravitam em torno de vídeo para a comunicação e a aprendizagem. Um estudo recente encomendado pela Polycom, 78% da geração dos Millennials/Geração Y indicaram que o acesso à tecnologia que preferem utilizar os tornam mais produtivos no trabalho. O que eles experimentam nas suas vidas pessoais é o que esperam no seu local de trabalho. A Polycom aposta que o local de trabalho do futuro é aquele em que se pode aliciar com sucesso a geração do milénio com uma força de trabalho existente.
  2. A mobilidade será sobre a colaboração entre dispositivos: O local de trabalho do futuro não é em um endereço físico específico, é em qualquer lugar onde se está. A colaboração na era da mobilidade vai além das aplicações específicas oferecidas por um dispositivo. Em 2016, a Polycom prevê que haverá um foco maior sobre como os dispositivos interagem uns com os outros para proporcionar uma experiência de colaboração ainda mais integrada. A capacidade de conectar sistemas pessoais e sistemas de colaboração de grupo com a mesma voz, conteúdo e experiências de vídeo de forma consistente e fácil por meio de dispositivos móveis garantirá a produtividade da força de trabalho móvel.
  3. Interoperabilidade continua como grande desafio: Aproveitando o navegador Web para acesso, a colaboração tem sido uma meta para as empresas e a WebRTC está emergindo como uma opção técnica viável. A Polycom espera que a WebRTC desempenhe um papel importante no sentido de torná-la mais familiar aos utilizadores finais para as comunicações de vídeo, mas continuarão a ficar aquém da qualidade de áudio, de compartilhamento de conteúdo e de vídeo existente em sistemas de colaboração visual corporativos. Para a WebRTC chegar ao mainstream, a interoperabilidade com um especto mais amplo de ambientes corporativos será fundamental. Até lá, acredita-se que os utilizadores utilizarão a WebRTC ao lado de uma série de outras tecnologias para permitir a colaboração.
  4. Os locais de trabalho irão apoiar novos estilos de atividades profissionais: O local de trabalho, agora, é onde quer que você esteja, impondo mudanças importantes em instalações empresariais nas áreas de planeamento e TI. A colaboração visual não está mais confinada à sala de conferências e recepção, pois estende-se a passos largos por toda a empresa e em espaços virtuais fora do escritório. Em 2016, a tendência é uma movimentação para uma ampla gama de áreas de trabalho, em salas menores com maior abrangência de pessoas e demonstrando um desejo crescente por soluções de colaboração de centro de sala. A Polycom estima evolução para espaços projetados que suportem a colaboração em novos estilos de trabalho em salas virtuais, salas para maior abrangência de interação de pessoas e em espaços abertos.
  5. A relevância da nuvem chegará muito além da conectividade de colaboração: A nuvem prosseguirá proporcionando novas oportunidades em variados segmentos para diferentes portes de empresas. A Polycom estima para 2016 que ganharão força com soluções de colaboração de primeira qualidade que estão a surgir para melhorar a produtividade e a interatividade em todas as companhias. Serviços como análises, diagnósticos, tradução e processamento de linguagem natural desempenharão um grande papel no auxílio e no avanço da experiência do utilizador e no apoio aos clientes com dados de uso críticos e ferramentas para operações mais eficazes.
  6. A memória coletiva ajuda a dominar fusos horários: Na medida em que a globalização prossegue em expansão, a Polycom acredita que 2016 será o ano de captura de conteúdo de vídeo. A estimativa é que um número maior de empresas adote estratégia para “seguir o sol”, com ênfase na memória coletiva – a capacidade de capturar, persistir e compartilhar informação-chave e relevante em toda a empresa.
  7. O que você vê é o que todos nós vemos: A Polycom avalia que, em última instância, o que irá impulsionar a produtividade em 2016 e proporcionar uma experiência mais consistente são soluções que permitem aos utilizadores compartilhar conteúdo de alta qualidade de maneira automática, simples e intuitiva. Compartilhar apresentações, documentos e produtos em tempo real é fundamental para a colaboração e, no passado, isto teria sido um desafio para realizar de modo consistente e confiável. As novas tecnologias possibilitam que os utilizadores tenham a certeza de que o conteúdo visualizado está a ser mostrado com precisão e clareza pelos seus colegas de trabalho.

Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor