Cloud, streaming e IoT são os termos mais incompreendidos na Europa

CloudMobilidade

Como é que a maioria dos consumidores encara o mais recente jargão tecnológico? De acordo com um novo estudo da Samsung, finge conhecê-lo. A pesquisa da empresa mostra que 70% dos portugueses já fingiram saber o que significam determinadas expressões, como streaming e Internet of Things.

O estudo da Samsung, “Tech Habits”,  abrange 18 países da Europa, incluindo Portugal. Os consumidores portugueses comparam bem com os congéneres europeus: 61% dos inquiridos revelam que usam mais tecnologia hoje que há dois anos, contra 52% na média dos restantes países, e 15% confessa-se viciado – não podendo viver sem tecnologia (13% na Europa).

Mais de três quartos dos inquiridos portugueses, 77%, sentem-se entusiasmados com as últimas inovações (são cerca de 50% na média global) e 70% admitem que já fingiram saber o significado de algum jargão tecnológico (72% na Europa).

Como resposta aos resultados do estudo, a Samsung criou o glossário “Tecnologia para Todos” que explica o significado dos termos tecnológicos mais recentes. Cloud, streaming e Internet of Things são os três termos mais incompreendidos da Europa, refere o estudo.

“Esta pesquisa, feita a um nível europeu, permite concluir que a terminologia tecnológica pode servir de barreira para alguns consumidores”, considera Cláudia Rodrigues,. responsável de comunicações da Samsung Portugal. É neste âmbito que aparece uma iniciativa da empresa para tentar simplificar a linguagem utilizada e promover o ensino em competências digitais, algo que abrangerá cerca de 100 mil jovens.

“Acreditamos que este problema, transversal a todo o sector da tecnologia, está a travar o progresso tecnológico e que a indústria tem de saber enfrentá-lo” aponta a responsável. Ao mesmo tempo que ultrapassamos, em distâncias cada vez maiores, as fronteiras do digital, da televisão, e da tecnologia móvel, o sector tecnológico deve ter a preocupação de tornar os benefícios da inovação acessíveis a todos e de ajudar os que ainda não se sentem confortáveis com os conceitos mais recentes” acrescenta Cláudia Rodrigues.  

Mas isto acontece sobretudo entre os Millennials (nascidos depois de 1980): 41% dos portugueses inquiridos com mais de 55 anos nunca sentiram a necessidade de mentir sobre o conhecimento de termos tecnológicos, contrastando com os 26% dos Millennials inquiridos. 

“Comparando com a média europeia pode afirmar-se que Portugal é um país com melhor conhecimento tecnológico sendo que apenas 34% dos europeus inquiridos com mais de 55 anos nunca fingiram conhecer termos tecnológicos versus os 24% da geração Millennial europeia inquirida”, refere o estudo. 

Portugal sobressai como um país onde o tablet é um equipamento valorizado: apenas 2% dos inquiridos tiveram que fingir que sabiam o que era, o valor mais baixo da Europa, que conta com 7% de média de desconhecimento.

Os portugueses apresentam também a percentagem mais baixa de desconhecimento relativamente às expressões Bluetooth (4% vs 10% média europeia), Wi-Fi (4% vs 10% média europeia) e Smart Devices (5% vs 9% média europeia)

Quanto às aplicações preferidas, no primeiro lugar estão os mapas ( 28%), seguidos das apps para a câmara do telefone (15%) e as aplicações de tradução (14%).

O estudo foi realizado pela Opinium Research entre 16 de Março e 1 de Abril, sendo baseado em 10.138 entrevistas online realizadas a adultos no Reino Unido, Áustria, Bélgica, Bulgária, Alemanha, Dinamarca, Finlândia, Grécia, Hungria, Itália, Portugal, Holanda, Noruega, Polónia, Espanha, Roménia, Suécia e Suíça.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor