Cisco apresenta casos de estudo da IoE no Sector Público

Data-StorageGestão de RedesProjetosRedesSetor Público

Um novo Relatório publicado pela Cisco revela como administrações e entidades públicas em todo o mundo já estão a tirar proveito da Internet of Everything (IoE) nesta nova fase de Internet, que se caracteriza pelos milhares de milhões de conexões entre pessoas, processos, dados e objetos. Elaborado pela consultora Cicero Group, através de entrevistas personalizadas

Um novo Relatório publicado pela Cisco revela como administrações e entidades públicas em todo o mundo já estão a tirar proveito da Internet of Everything (IoE) nesta nova fase de Internet, que se caracteriza pelos milhares de milhões de conexões entre pessoas, processos, dados e objetos.

internet-4

Elaborado pela consultora Cicero Group, através de entrevistas personalizadas com os responsáveis das Administrações, este documento inclui 40 casos de estudo da IoE aplicada a múltiplos campos como as Smart Cities (estacionamento inteligente, gestão da eletricidade e água, transportes públicos, etc.), o apoio sanitário (telemedicina), a educação online e a segurança (coordenação de emergências, prevenção de incêndio, etc.).

O estudo também serve como referência de boas práticas e fatores de sucesso que podem ser adotados por outros organismos públicos em todo o mundo, incluindo a implementação de redes IP inteligentes, a participação dos cidadãos através de dispositivos e aplicações móveis ou avançadas, e ferramentas analíticas de Big Data e colaboração.

A nível ibérico são analisados os casos de Barcelona e Santander. Graças a uma aposta na conectividade através de redes de banda larga e à colaboração público-privada, ambas as cidades converteram-se em referências internacionais de inovação, obtendo parte de um valor que a Cisco estima em cerca de 3,5 biliões de euros para as Administrações Públicas em todo o mundo entre 2013 e 2023.

Assim, graças a 83 projetos em 12 áreas, o município de Barcelona otimizou os serviços aos cidadãos, obtendo poupanças de 42 milhões de euros anuais com a gestão da água e de 27 milhões com iluminação inteligente, além de ter aumentado as suas receitas em 36 milhões de euros anuais com estacionamento inteligente e gerado 47 mil empregos.

Por sua vez, através de uma rede de 25 mil sensores que monitorizam o tráfego, os transportes, a iluminação, o ruído, a contaminação ou a qualidade da água, Santander reduziu em 80% o congestionamento de tráfego e implementou aplicações abertas que melhoram os serviços e facilitam a participação dos cidadãos.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor