China retalia depois de acusações do Canadá

Segurança

O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês lançou-se contra o Canadá, acusando-o de fazer acusações sem fundamento racional, depois de o país ocidental ter apontado hackers chineses como os responsáveis pelo ciberataque que atingiu a rede de computadores do Conselho Nacional de Pesquisa canadiano. Ottawa afirmou que”uma entidade altamente sofisticada apoiada pelo Estado” infiltrou-se  recentemente na

O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês lançou-se contra o Canadá, acusando-o de fazer acusações sem fundamento racional, depois de o país ocidental ter apontado hackers chineses como os responsáveis pelo ciberataque que atingiu a rede de computadores do Conselho Nacional de Pesquisa canadiano.

china canadá harper

Ottawa afirmou que”uma entidade altamente sofisticada apoiada pelo Estado” infiltrou-se  recentemente na network de computadores do Centro Nacional de Pesquisa (CNP), o maior órgão de investigação do Canadá que trabalha com grandes empresas como a fabricante de aviões e comboios Bombardier.

O Canadá já havia comunicado ataques às suas redes, mas esta é a primeira vez que aponta o dedo à China, frequentemente acusada de orquestrar investidas cibernéticas a empresas, nomeadamente por parte dos Estados Unidos. No entanto, Pequim nega de todas as vezes o seu envolvimento nestas práticas criminosas.

Pela enésima vez, o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês emitiu a sua já repetitiva e frustrantemente vaga declaração de insenção de culpa, assegurando que o governo não apoia quaisquer atividades cibercriminosas e que repudia acusações que envolvam a China nestes ataques.

“ O Canadá, para além de padecer de uma falta de provas, lançou acusações sem fundamento. Foi irresponsável e a China opõe-se veementemente a tal”, escreveu o Ministério no seu website, acrescentando que o Canadá deverá agora corrigir o seu erro, parar de criticar a China e atenuar os efeitos negativos que advieram das acusações.

O governo conservativo direitista do Canadá tem tido uma relação algo conturbada com Pequim desde que em 2006 assomou ao poder. Apesar de no início o Primeiro-ministro Stephen Harper ter demonstrado alguma retinência em “meter as mãos na massa”, está agora, ao que parece, a tentar resolver a situação com o governo chinês.

O ataque cibernético ao CNP não é, segundo o Canadá, o primeiro a ter a impressão digital chinesa. EM 2011, um grupo de cibercriminosos infiltrou-se na rede informática de alguns dos departamentos do governo canadiano, incluindo o das Finanças. Também em 2012, o país disse que um fabricante nacional de software fora vítima de hacking, embora tenha recusado acusar a China.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor