China planeia purga tecnológica

Negócios

A China está a planear aquilo a que se pode chamar purga tecnológica: a ideia é substituir a tecnologia estrangeira por tecnologia própria do país. A substituição afetará a tecnologia usada em bancos, nas forças militares e também nas empresas detidas pelo estado e agências do governo, até 2020, que será substituída pela de fornecedores

A China está a planear aquilo a que se pode chamar purga tecnológica: a ideia é substituir a tecnologia estrangeira por tecnologia própria do país.

China Google

A substituição afetará a tecnologia usada em bancos, nas forças militares e também nas empresas detidas pelo estado e agências do governo, até 2020, que será substituída pela de fornecedores chineses.

A informação não foi divulgada por fonte oficial, mas surge depois da mudança tecnologia numa cidade chinesa, em que se trocou o sistema operativo da Microsoft por um sistema nacional, chamado NeoKylin.

Esta mudança pode ter fortes consequências para empresas norte-americanas, como a Cisco, a IBM ou a Intel.

No entanto, os fornecedores de tecnologia estrangeira ainda podem vir a evitar a troca, caso partilhem mais informações sobre a sua tecnologia ou concedam acesso aos inspetores de segurança estrangeiros, para que possa recolher mais informação sobre os produtos. O objetivo é que o governo chinês possa vir a ter mais controlo sobre a tecnologia, que se tem revelado uma das maiores preocupações do regime chinês, desde a revelação do caso Snowden.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor