Cabify: serviço premium de mobilidade urbana em Lisboa

AppsMobilidadeNegócios

A Cabify , plataforma para a mobilidade urbana, reuniu ontem, em Lisboa, clientes, parceiros, embaixadores da marca e a imprensa para fazer um balanço do primeiro mês de operações em Portugal.

A plataforma tecnológica oferece um serviço de motorista privado, em automóveis topo de gama, através da aplicação Cabify disponível para iOS e Android ou através do site da empresa.  O cliente sabe sempre quem é o seu motorista, qual o veículo, o valor que irá pagar pelo trajeto e pode levar uma peça de bagagem sem custo adicional. O preço resulta distância percorrida e não do tempo o que, de acordo com a empresa, beneficia o passageiro a nível da tarifa cobrada.

Nuno Santos, General Manager da Cabify Portugal, falou do orgulho de trazer o serviço para Portugal, como o lançamento da aplicação foi “ótimo” comparativamente a outros lançamentos noutras cidades e noutros países e do serviço premium que é prestado aos clientes. Referiu ainda que a empresa quer continuar a crescer a bom ritmo e ser uma solução de mobilidade que chegue a substituir os carros privados. Durante a apresentação foi, também, referido que o objetivo da plataforma é trazer uma solução de mobilidade e de eficiência aos cidadãos das cidades onde operam.

Quando questionado sobre a diferença para os outros concorrentes, Nuno Santos apontou a “possibilidade de fazer reservas, não há mais nenhuma empresa do mercado a dar este serviço” e o “preço competitivo” que conseguem oferecer por terem um foco nas empresas, “desenhámos o nosso serviço para assegurar o melhor serviço possível às empresas com quem trabalhamos e o cliente particular acaba por beneficiar disso”.

A empresa de origem espanhola atua, neste momento em 7 países e 21 cidades tendo o nosso país sido o primeiro de língua não-castelhana a ter os seus serviços, que se expandiram recentemente a São Paulo, no Brasil. Como afirmou o General Manager da Cabify Portugal, “temos uma relação muito próxima com o Brasil, estamos a abrir em outros países da América Latina e estamos a pensar em outras aberturas pela Europa. É um projeto que está a crescer porque é uma solução que funciona, temos um preço competitivo para um serviço de excelência.”

Sobre o facto de Portugal e, mais precisamente, Lisboa ter sido escolhida para a primeira abertura fora do mercado de língua não espanhola, Nuno Santos referiu que a Cabify trabalha “com mais de 2000 empresas em Espanha que diariamente nos pediam para usufruir deste serviço em Portugal. Hoje em dia o mercado é um mercado ibérico, há pessoas que viajam constantemente entre Lisboa e Madrid” e mencionou que o segundo fator para a decisão foi que “mercado português está bem preparado e aberto a novas tecnologias que vem beneficiar o seu dia-a-dia.”

A expansão a outras cidades portuguesas também está nos horizontes da Cabify que quer ter o serviço a operar na cidade do Porto até ao final do ano. A empresa pensa, também, em outras cidades mas ainda não estão definidas e a análise está a ser feita de acordo com a importância e o volume de negócio que possam trazer.

Sobre a polémica da legalidade dos serviços de mobilidade urbana, Nuno Santos afirmou que “somos uma empresa portuguesa, pagamos todos os nossos impostos em Portugal, a esse nível não nos podem repreender. A nível de modelo de negócio, respeitamos a lei em vigor em Portugal, trabalhamos só com partners que obedecem a todos os requisitos para operarem no país. O nosso modelo é adaptarmo-nos à legalidade de cada país e foi isso que fizemos em Portugal. Toda a legislação que existe foi analisada, respeitamos a legislação e estamos disponíveis para nos adaptarmos às leis que saírem neste setor.”

A Cabify anunciou, ainda, uma parceria com o Eleven, quem fizer reserva no restaurante pode beneficiar de transporte gratuito pela Cabify, e com a Chicco disponibilizando cadeiras para crianças acima dos 15 kg sem qualquer custo adicional.

 

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor