BlackBerry torna gratuitos serviços de privacidade do BBM

MobilidadeSegurançaSmartphonesSO

A BlackBerry continua o seu esforço para se manter relevante, num mercado onde detém agora cerca de 1% de quota mundial. A fabricante canadiana anunciou que vai deixar de cobrar pelas funcionalidades avançadas de privacidade do serviço de mensagens BBM.

A medida foi anunciada no blogue oficial Inside BlackBerry. Na nova versão do serviço proprietário de mensagens BlackBerry Messenger (BBM), a Retract e a Timer passam a ser gratuitas. Trata-se de duas funcionalidades que permitem remover mensagens ou fazê-las desaparecer automaticamente e que até agora só estavam disponíveis aos assinantes pagos do serviço.

“Na BlackBerry, sempre estivemos dedicados à segurança dos nossos clientes – e a pôr o controlo sobre a privacidade de volta nas suas mãos”, lê-se na publicação. O CEO John Chen já tinha dito, em fevereiro, que este era um elemento central da empresa: “a segurança é o que fazemos, privacidade é o que você recebe.”

A funcionalidade Retract permite ao utilizador apagar mensagens e fotografias não apenas do seu smartphone, mas também do smartphone da pessoa que as recebeu. Já o Timer dá ao utilizador controlo sobre quanto tempo ficará disponível uma mensagem, fotografia ou localização enviadas através do BBM – uma espécie de temporizador para a auto-destruição dos dados.

“Capitalizando na rapidez, fiabilidade e segurança inerente ao BBM, o novo update oferece um nível sem precedentes de privacidade e controlo aos utilizadores que não pagam subscrição”, resume o vice presidente sénior do BBM, Matthew Talbot. “Ao manter o controlo sobre as mensagens e o conteúdos, os utilizadores de BBM podem ter a certeza que o que partilham estará sempre à sua disposição.”

Isto estará disponível para a app em todos os sistemas operativos: BlackBerry OS, iOS e Android, sendo que cada plataforma receberá várias novidades.

Esta decisão chega depois da apresentação de resultados desastrosos para a fabricante canadiana no quarto trimestre fiscal de 2016, findo a 29 de fevereiro: as vendas caíram mais de 50%, os prejuízos cresceram e a marca falhou na continuação do sucesso inicial do Priv, o seu primeiro smartphone com Android.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor