Ataque informático de sexta-feira é “chamada de atenção” aos governos, diz Microsoft

Segurança

O ataque de larga escala que ocorreu na sexta-feira e se teme que possa voltar, é algo “que não tem precedentes” disse o diretor da Europol, Rob Wainwright, à ITV. O malware WannaCry atingiu  mais de 150 países e teme-se que uma nova vaga, com uma segunda versão do ransomware, possa acontecer. A Microsoft também já reagiu ao que se passou na semana passada e alertou que “os governos do mundo inteiro devem tratar este ataque como uma chamada de atenção.”

O responsável do organismo europeu, afirmou à televisão britânica que “nunca tínhamos visto nada parecido” e que, hoje, com a chegada de mais pessoas aos trabalhos, pode ocorrer uma nova vaga e os números de vítimas pode crescer.

O vírus afeta o sistema operativo Windows e a Microsoft já reagiu à situação através de um post no blog da empresa.  Brad Smith, Presidente e Chief Legal Officer da gigante informática, revelou que em 14 de março, a Microsoft lançou uma atualização de segurança para corrigir essa vulnerabilidade mas que muitos computadores permaneceram sem realizar o update. “Como resultado, hospitais, empresas, governos e computadores em residências foram afetados”, indicou o executivo.

O CLO referiu, ainda, que na empresa “levamos todos os ataques cibernéticos ao sistema Windows a sério, e estamos a trabalhar para ajudar todos os nossos clientes que foram afetados pelo incidente de sexta-feira”.  “Responder a este ataque e ajudar aqueles que foram afetados é a nossa prioridade mais imediata“, acrescentou.

Brad Smith alertou para o facto do ciberataque “demonstrar como a cibersegurança se tornou uma responsabilidade partilhada entre empresas de tecnologia e clientes. O fato de tantos computadores permanecerem vulneráveis ​​dois meses após o lançamento de um patch ilustra esse aspecto. À medida que os cibercriminosos se tornam mais sofisticados, não há maneira de os clientes se protegerem contra ameaças a não ser que atualizem os seus sistemas”. 

“Os governos do mundo devem tratar este ataque como uma chamada de atenção.  É preciso adotarem uma abordagem diferente e aplicar ao ciberespaço as mesmas regras aplicadas às armas”, explicou.

O setor tecnológico, os clientes e os governos devem trabalhar juntos na proteção contra  ciberataques“, escreveu o líder da área legal da Microsoft. “O ataque WannaCrypt é uma chamada de atenção para todos nós. Reconhecemos a nossa responsabilidade de ajudar a responder a esta chamada e a Microsoft está empenhada em fazer a sua parte”, concluiu o executivo.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor