As seis tecnologias que afetarão as PME em 2017

Negócios
0 0 Sem Comentários

Tecnologias como chatbots, inteligência artificial e blockchain irão desempenhar um papel importante nas pequenas empresas e startups este ano.

Este Natal, juntamente com numerosos presentes em forma de gadgets, houve ainda quem recebesse novas tendências tecnológicas que irão transformar a forma de trabalhar das pequenas e médias empresas neste novo ano. A Sage, empresa de software de contabilidade na nuvem, destacou, entre outras, os chatbots, a inteligência artificial e o blockchain.

Os assistentes virtuais tais como os chatbots vão tornar-se cada vez mais comuns em diferentes dispositivos e nas interfaces de utilizador que os empresários utilizam para gerir e controlar as suas empresas. Diz a Sage que estas interfaces vão alterar a forma como humanos e computadores trabalham e interagem. Enquanto, no passado, os utilizadores utilizavam teclado ou rato para interagir com os computadores, gradualmente esta interação passará a ser feita oralmente ou através de controlo gestual com as mãos, cabeça ou olhos. A experiência do utilizador não só se tornará mais conveniente, mas também mais divertida – estes sistemas irão trabalhar autonomamente e terão capacidades de autoaprendizagem. Eventualmente, o software será capaz de trabalhar sem intervenção do utilizador, ou utilizar toda a informação recolhida em atividades futuras.

A inteligência artificial é outra tendência a acompanhar este ano, mesmo pelas pequenas e médias empresas, diz o CTO da Sage, Klaus-Michael Vogelberg num documento enviado à imprensa. De acordo com Vogelberg, com a expansão do volume de dados gerada por todo o tipo de sensores e dispositivos de um lado, e o software de análises especial e os agentes inteligentes cada vez mais acessíveis e poderosos do outro, as empresas precisam de encontrar formas de extrair conhecimento da atual riqueza do Big Data.

Klaus-Michael Vogelberg aconselha as PME a trabalhar em equipa. “Se as pequenas e médias empresas unirem sinergias e – considerando as suas políticas corporativas de proteção de dados e segurança – partilharem o potencial das suas equipas e informação com outras empresas de uma forma estruturada e sistemática, podem beneficiar dessa colaboração ao receberem uma base de dados mais ampla e completa e melhor data intelligence. Como acontece nos mecanismos de crowdsourcing, esta base de dados irá permitir às empresas compreender melhor os comportamentos dos seus clientes, o que necessitam, o que lhes oferecer e em que áreas de negócio investir.”

De acordo com a Sage, a nova tecnologia blockchain pode impactar os seus modelos de negócio atuais. Todas as indústrias que trabalham como intermediárias entre duas partes – tal como advogados, notários, imobiliárias ou intermediários financeiros – podem ser afetadas por esta abordagem. Os contabilistas podem também ser afetados pela forma como se farão negócios no futuro, uma vez que o blockchain tem a capacidade de eliminar uma grande parte da carga de trabalho – tal como controlar e agendar transações, transferências de dinheiro ou pagamento de faturas – tarefas que atualmente são geridas por estes profissionais.

Como é que isto acontece? O blockchain organiza transações de bens digitais entre duas partes de uma forma totalmente inovadora. Em vez de utilizar intermediários como bancos, notários, autoridades estatais ou plataformas comerciais para legitimar a troca de determinados bens – tais como propriedades digitais, mercadoria comercial digital, contratos digitais, ou até mesmo transações financeiras através de moedas digitais como os Bitcoins – os blockchains permitem aos indivíduos transferirem esses bens de uma forma direta, segura e imutável entre eles.

Diz ainda a Sage que a forma como as pessoas utilizam o dinheiro e realizam as suas transferências e pagamentos sofreu já grandes alterações, principalmente porque através de dispositivos móveis os utilizadores já conseguem realizar transações e compra de bens através de um click. Em 2017, mais e mais recentes soluções irão permitir às empresas estabelecer uma cadeia de pagamentos integrada e automatizada com os seus fornecedores e clientes. Estas novas soluções permitem realizar pagamentos a toda a hora e em todo o lado, de forma imediata e em vários canais e estarão totalmente integrados com os sistemas contabilísticos financeiros das empresas do futuro.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor