As cinco tendências em TI para 2017

Negócios
0 5 Sem Comentários

A troca de serviços de telefones fixos para a nuvem vai acelerar significativamente em 2017. O sistema de telefone PBX está a tornar-se uma relíquia do passado para as empresas: caro para manter e difícil de atualizar e escalar de acordo com as mudanças de necessidades. Um número crescente de empresas tem de substituir o equipamento órfão inesperadamente e estas companhias estão sob pressão para permanecerem dinâmicas num cenário cada vez mais competitivo.

De acordo com o Gartner, as soluções de comunicação unificada (Unified Communication ou apenas UC) em nuvem “tornaram-se a escolha preferida devido à economia, flexibilidade, confiabilidade, segurança e escalabilidade superiores”. Além disso, as funcionalidades avançadas de UC oferecidas na nuvem são difíceis e caras para serem oferecidas no modelo on-premises (instalações fixas no ambiente do cliente).

A comunicação unificada na nuvem responderá por 25% das remessas de linhas em 2017, de acordo com a MZA, empresa de análise de TI e telecomunicações. E, globalmente, estimamos que a nuvem irá superar as instalações fixas dentro de 4-5 anos. Dado esses prazos, os riscos e oportunidades em jogo, os decisores de TI das empresas devem tomar consciência que 2017 pode muito bem ser o ano para agir.

1. Operadoras de Telecomunicações vão oferecer experiência nativa de comunicação móvel de ponta a ponta em 2017

A mobilidade está bem estabelecida como uma prioridade fundamental para as empresas. Isto levou a uma proliferação de dispositivos móveis, e o telemóvel tornou-se talvez a ferramenta de negócios mais indispensável. Mas a experiência do utilizador de comunicações unificadas em tempo real em dispositivos móveis não tem acompanhado o ritmo suficientemente.

Hoje, muitas aplicações UC são chamadas “over the top” – aplicativos para download que usam qualquer conexão de dados disponível. Isso é adequado para mensagens e partilha de arquivos, mas muitas vezes fica aquém de funções críticas em tempo real, como voz e vídeo. Dados móveis de baixa qualidade ou conexões WiFi levam a ligações irregulares que não são apropriadas para uso comercial.

No entanto, em 2017 esperamos ver um progresso dramático, liderado por operadores móveis e fabricantes de dispositivos que estão a implementar soluções que oferecem conexões móveis nativas de alta qualidade e recursos integrados de negócios em dispositivos móveis. Serviços como o One Net da Vodafone na Alemanha e o Verizon One Talk nos EUA permitem associar um único número a vários dispositivos em conexões móveis com um padrão de alta qualidade. Além disso, os fabricantes de dispositivos estão a expandir o dialer nativo com recursos empresariais e a fornecer ferramentas para a integração perfeita de aplicações de negócios. Exemplos notáveis são os dispositivos com suporte de discagem nativa para o Verizon One Talk e as ferramentas de integração do Kit de chamadas recentemente lançadas pela Apple.

À medida que essas capacidades forem lançadas em 2017, elas permitirão que os operadores móveis finalmente entreguem serviços de negócios claramente diferenciados dos seus concorrentes OTT.

2. AI e Análise Preditiva: alterando o jogo UC e Call Center

A inteligência artificial (AI) e a análise preditiva não se restringem há muito tempo à pesquisa e às aplicações altamente especializadas. Recentemente, elas têm encontrado uso generalizado em aplicações de consumo, como o assistente Siri da Apple. E agora estão a ser comercializadas rapidamente para uma variedade de aplicações comerciais padrão.

Em 2017, as comunicações unificadas e os aplicativos de colaboração em equipa também começarão a beneficiar significativamente. A AI abordará muitos pontos de produtividade que os colaboradores enfrentam hoje – especialmente as 2,5 horas por dia que um profissional gasta apenas procurando informações, de acordo com a IDC. A AI integrada será capaz de pesquisar através de todos as aplicações de nuvem de um colaborador para encontrar documentos, mensagens, perfis sociais e qualquer conteúdo relevante para a conversa ou reunião que ele estiver a ter. Isso permitirá que os funcionários colaborem efetivamente dentro de um aplicativo de UC enquanto têm o conteúdo relevante na ponta dos dedos – reduzindo assim as distrações e a perda de produtividade que podem resultar de tentativas fracassadas de multitarefa.

Os call centers são outro domínio de aplicação chave para a AI. Agora, todo o histórico de interação dos clientes pode ser combinado com diversas fontes de informação externas e internas para fornecer uma rica orientação para router e manipulação de cada chamada. Acreditamos que 2017 será o ano em que essas tecnologias se tornem mainstream, e que se liguem ao nosso primeiro tema: serão introduzidas principalmente via serviços em nuvem, devido à facilidade de implementação.

3. Redução de PSTN: progresso e oportunidades 

A Rede Telefónica Pública Comutada (PSTN), o principal suporte das comunicações há mais de 100 anos, está a ser eliminada. Trata-se de uma rede antiquada de uso único com altos custos de manutenção, enorme consumo de energia e cada vez menos peças de reposição.

Os avanços nas redes IP terrestre e móvel tornaram-se de longe o meio preferido para todas as comunicações, incluindo a banda larga de voz e vídeo em tempo real. Esta transição tecnológica é também impulsionada por poderosas mudanças de comportamento dos utilizadores finais: substituição dos telefones fixos pela rede móvel e a procura por serviços multimédia HD.

Reguladores e prestadores de serviços já têm agido: a Deutsche Telekom parou de vender ISDN na Alemanha, a Macedónia migrou completamente para IP e a Eslováquia e a Croácia, têm a migração total prevista para 2018. Nos EUA, vários estudos de transição estão em andamento e as principais operadoras, como a AT & T, estão a prever o ano de 2020 para uma transição completa. E, especificamente, em 2017, espera-se que a Swisscom se torne uma fornecedora de IP.

Esperamos dois grandes impactos em 2017: um deles será uma recuperação significativa em projetos de transformação de redes. O segundo será fornecer mais mecanismos para que as empresas migrem para as soluções UC e UC em nuvem.

4. Além de mensagens corporativas: colaboração de equipa integrada e UC 

As aplicações de troca de mensagens estão a tornar-se chave para o modo como as forças de trabalho comunicam e colaboram agora e no futuro. No relatório de tendências da Internet de Mary Meeker 2016, Kleiner Perkins Caufield & Byers (KPCB) observam que “as mensagens estão a evoluir de simples conversas sociais para conversas de negócios.”

Algumas empresas tentaram reduzir o uso intensivo de e-mails através da implementação de aplicações de mensagens independentes, mas a incapacidade destas aplicações de se integrar com outros serviços de comunicação e colaboração significa que a força de trabalho gasta mais tempo alternando entre aplicações do que usando-as de forma produtiva. Para não mencionar o volume de mensagens que os trabalhadores de linha devem gerir e responder rapidamente que excedeu o número de e-mails.

Equipas e indivíduos precisam mover-se fluidamente entre mensagens, partilha, chamada e conferência usando vários meios de comunicação. E ao longo dessas interações precisam aceder um contexto sólido e partilhado: e-mails, documentos, contatos e histórico de comunicação do passado.

Enquanto os players de aplicações de mensagens de nicho continuarão a desenvolver ou adquirir os componentes de comunicações em falta, as empresas em 2017 irão gravitar para soluções maduras e abrangentes que podem integrar mensagens e colaboração com telefone, conferência e outros processos principais de negócios.

5. Nuvem multi-tenant pública irá tornar-se a opção preferencial do mercado  

Algumas empresas, particularmente as grandes empresas, têm relutado em adotar serviços de nuvem multi-tenant pública. Preocupações sobre segurança, confiabilidade e controlo levaram a preferência para implementações de nuvem privada. Isso, por sua vez, significou a ausência de alguns dos benefícios mais fundamentais da revolução na nuvem: redução drástica de custos, facilidades de gestão, e escalabilidade e elasticidade essencialmente ilimitadas.

Essas barreiras também impactaram o Unified Communications as a Service (UCaaS): apenas empresas muito grandes poderiam justificar implementações de nuvem privada e os provedores de serviços confiaram na sua própria nuvem privada para a prestação de serviços.

Agora, o ímpeto da nuvem pública está a aumentar com as empresas e os provedores de serviços. Isto é impulsionado principalmente por uma mudança na percepção sobre a segurança. Está a tornar-se claro que a nuvem pública é de facto superior: a  escala permite medidas de segurança avançadas e robustas, tanto computacionais como físicas. E as novas tecnologias, como a criptografia de ponta-a-ponta, tornam a localização de dados irrelevante do ponto de vista da segurança.

Em 2016, o investimento na nuvem pública foi quase o dobro da nuvem privada, de acordo com o Gartner. Em 2017, esperamos ver alguma migração de nuvem privada para nuvem pública e forte preferência por nuvens públicas em novas implementações. Isso reduzirá os custos e acelerará o tempo de escalonar o mercado.