Apple traça parceria com Foxconn para aumentar vendas na China

Negócios

A Apple quer implementar na China um programa de troca de iPhones. Com o apoio da Foxconn, a tecnológica quer aumentar as vendas dos seus dispositivos no maior mercado de smartphones do mundo. Através de um programa de troca, as pessoas poderão entregar os seus iPhones mais antigos nas lojas chinesas da Apple em troca

A Apple quer implementar na China um programa de troca de iPhones. Com o apoio da Foxconn, a tecnológica quer aumentar as vendas dos seus dispositivos no maior mercado de smartphones do mundo.

china iphone

Através de um programa de troca, as pessoas poderão entregar os seus iPhones mais antigos nas lojas chinesas da Apple em troca de crédito em produtos da marca, segundo fontes a que a Bloomberg teve acesso. Consta que o papel da Foxconn no programa passará pela compra e revenda dos telemóveis.

O diretor executivo Tim Cook, citado pela agência noticiosa, disse que a China poderá vir a tornar-se no maior mercado da Apple, eclipsando os Estados Unidos. Até meados de 2016, o número de lojas da Apple na China deverá duplicar, o que se alinha com os planos do CEO. A forte procura por smartphones de amplos ecrãs tem ajudado a Apple a crescer na Grande China, e levou a que a tecnológica conseguisse, no último trimestre de 2014, chegar a lucros de 18 mil milhões de dólares.

Sob os termos da parceria, o staff das lojas chinesas da Apple avaliará as condições dos iPhones que lhe chegarem às mãos, e, de acordo com uma fonte citada pela Bloomberg, o crédito nos produtos da loja será somente oferecido aos utilizadores que tenham comprado originalmente o telemóvel na Grande China.

Seguidamente, a Foxconn comprará diretamente os telemóveis sem que a Apple chegue a tomar posse dos mesmos. A empresa chinesa, então, reparará os aparelhos, caso seja necessário, e irá vendê-los através das suas plataformas de comércio digital, eFeihu e FLNet, e também através da loja online Taobao da Alibaba.

Este programa deverá ter início já no próximo dia 31 de março.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor