93% dos executivos veem mudanças como uma oportunidade, diz IFS

Negócios

A IFS revelou os resultados de uma pesquisa com mais de 1000 formadores de opinião na área de TI de companhias em 12 países. A pesquisa analisou uma série de indústrias, incluindo manufatura industrial, construção, retalho e outras. O resultado mostrou que 93% dos entrevistados estão abertos às mudanças e veem-nas com uma oportunidade para os seus negócios.

Dois terços dos entrevistados concordaram que quando se trata de gerir as mudanças dentro de uma organização, ter um forte senso de direção da empresa, objetivos claros de negócios e uma liderança efetiva são os fatores mais importantes. Quando questionados sobre quais as três mais influentes mudanças sociais ou mercadológicas que impactam os seus negócios, 68% dos participantes indicaram que uma mudança nas procuras do cliente é o factor mais influente que afeta as empresas de hoje. Em 37% dos casos, as decisões tomadas pelo conselho são consideradas como a segunda mais importante mudança, seguidos pela disponibilidade de bens e serviços (selecionado em 29% do tempo).

No entanto, a pesquisa evidenciou uma diversidade de opiniões dos entrevistados em diferentes partes do mundo e de diferentes indústrias quando se trata de fatores influentes sobre a mudança. Os resultados principais incluem:

  • Na China, os tomadores de decisão de negócios do conselho destacam-se como extremamente influentes (65% para os entrevistados na China em comparação com os 37% globalmente), especialmente em contraste com a falta de influência percebida do comportamento de funcionários e regulamentações legais locais e internacionais (11% e 6% dos entrevistados, respetivamente, comparado com os valores médios globais de 21% e 20%).
  • As tecnologias disruptivas são consideradas altamente influentes na Alemanha (selecionada 44% das vezes) e China (selecionada 42% das vezes), em comparação com a média global de 25%.
  • A região de Benelux e da Noruega são as partes do mundo onde o comportamento dos funcionários detém o maior peso nos negócios, 44% em ambos os países comparado com a média global de 28%. Em contraste, eles dão pouca importância ao impacto das leis locais e regulamentações, bem como às mudanças governamentais, com uma média de apenas 11% para as mudanças governamentais e 7% para as leis locais selecionadas pela Suécia, Noruega e Dinamarca.
  • De todos os países entrevistados, os executivos do Brasil disseram, em 81% dos casos, que a mudança de requerimentos legais e/ou a mudança de governo têm grande impacto nos negócios, em comparação com 38% dos casos globalmente. Isto contrasta drasticamente com a Alemanha, onde as mudanças de governo e leis locais são consideradas importantes em apenas 2% dos casos.
  • Os negócios do Reino Unido prestam mais atenção às mudanças na disponibilidade de produtos e serviços, com uma média de 51% das repostas, comparado com a média global de 29% das escolhas.
  • Os entrevistados na França atentam-se para fusões e aquisições mais do que qualquer outro lugar, com 41% dos entrevistados, o dobro da média global que é de 20%.
  • A Espanha é a única a ver o conselho como tão influente quanto a procura do cliente, ambos com 59% da taxa de seleção.
  • Os entrevistados na América do Norte dão mais importância às mudanças de governo, com uma média de 37% da taxa de seleção, contra a média global de 18%.

Existem também algumas divergências de opinião em diferentes indústrias. O impacto da disponibilidade de produtos e serviços não é considerada tão influente no setor de construção como no setor de manufatura e retalho (escolhido em 22%, 41% e 45% dos casos respetivamente). Enquanto isso, na construção as mudanças governamentais são consideradas fatores mais significantes do que no setor de retalho e manufatura, selecionadas por 26% em oposição aos 9% e 7%. O papel de tecnologias disruptivas é notável no setor de manufatura, onde os entrevistados classificaram como o segundo factor mais importante a afetar a mudança de negócios.

“As mudanças requeridas são constantes, e a IFS tem que acompanhar de perto as causas dessas mudanças para assegurar que a nossa tecnologia e expertise na indústria antecipe os cenários e para que possamos orientar os nossos clientes a tomarem as decisões certas. Os resultados da pesquisa com os clientes permitem-nos personalizar a maneira como apoiamos cada indústria e cada cliente. Ninguém pode prever o futuro, mas aceitando isso, podem-se preparar os negócios para serem mais ágeis e alavancarem novos negócios potenciais”, diz Mark Boulton, CMO da IFS.

Para esta pesquisa foram realizadas mais de 1000 entrevistas em 12 países (EUA, Alemanha, Suécia, França, Brasil, Reino Unido, Benelux, Dinamarca, Espanha, China e Polónia) e os dados foram compilados para reunir insights sobre os seus pensamentos relacionados com o tema de mudanças nos negócios. Os entrevistados incluem os principais tomadores de decisão em TI, incluindo CIOs e CTOs, a partir de uma ampla gama de indústrias que trabalham com a IFS, incluindo manufatura industrial, construção, contratação, retalho e comércio em grande escala.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor