Konica Minolta aposta em aplicações práticas no campo dos diagnósticos in vitro

CiênciaInovaçãoProjetos

A Konica Minolta anunciou o desenvolvimento do Sistema de Imunológica SPFS. Segundo a empresa, este método é capaz de fornecer medições altamente precisas, baseadas em técnicas de observação de anticorpos fluorescentes. Um dos protótipos esteve já em exposição na MEDICA 2015, a maior feira de equipamento médico à escala global e que decorreu recentemente em Dusseldorf, Alemanha.

Este método de diagnóstico de enfartes do miocárdio, tumores malignos e outras condições patológicas, a técnica de observação de anticorpos fluorescentes é utilizado para detetar marcadores biológicos (proteínas) associados a doenças presentes no sangue. Tal é realizado através da luz gerada por anticorpos marcados – um anticorpo que contém uma substância química conhecida como marcador florescente. Ao reconhecer que estas tecnologias podem ser úteis para aumentar a sensibilidade desta técnica, a Konica Minolta desenvolveu o Sistema Imunológico SPFS.

De acordo com a Konica Minolta, foram a nanotecnologia e a tecnologia química que emergiram e evoluíram através do desenvolvimento das películas de filme e fotografia, permitindo a criação de reações químicas altamente controláveis e que os anticorpos marcados fossem detetados com grande sensibilidade ao nível molecular. A empresa espera, deste modo, que o design, know-how e tecnologia empregues no desenvolvimento de lentes e câmaras seja particularmente útil na deteção de ligeiras iluminações dos anticorpos, bem como noutras situações, melhorando a performance deste tipo de testes.

No que respeita aos pacientes com enfartes agudos do miocárdio admitidos na urgência dos hospitais para tratamento de dores no peito e com sintomas de entupimento parcial da artéria, a empresa espera, com este método, que aqueles que não têm Síndromes Coronárias Agudas tenham uma recuperação mais breve e mortalidade mais baixa quando o diagnóstico é feito antecipadamente e quando se inicia o tratamento através de testes específicos. No entanto, os testes convencionais utilizam a troponina, um bio marcador que é colocado no músculo do coração para detetar infeções do miocárdio, como base de deteção. Estes testes requerem cerca de seis horas para concluir um diagnóstico e são normalmente objeto de medições pouco precisas, provocando formação de longas filas de espera nos serviços de urgência.

Por forma a contornar esta situação, a Konica Minolta desenvolveu o Sistema SPFS, uma unidade de medição de troponina compacta, que,segundo a mesma, é altamente sensível, com um diagnóstico de apenas três horas e um conjunto de reagentes associados a determinadas doenças, incluindo a troponina. Este sistema pretende aumentar a capacidade de forma drástica a eficiência do diagnóstico e de outras atividades clínicas e diminuir a acumulação de pacientes em situações de emergência, além de ajudar a diminuir a taxa de mortalidade e facilitar a recuperação e a saída do hospital. Adicionalmente, este sistema visa detetar de forma precisa marcadores biológicos específicos para fornecer ensaios de imunologia fiáveis, não apenas para deteção de doenças cardíacas, mas também de doenças malignas, como o cancro, além de melhorar os serviços médicos.

A Konica Minolta planeia lançar o Sistema Imunológico SPFS na Europa em 2017 e, posteriormente, lançá-lo nos mercados americanos. A empresa planeia ainda a criação de um sistema imunológico mais eficiente, através da realização de um grande número de testes, com os respetivos parâmetros, e entrar assim de forma total no mercado dos diagnósticos in vitro.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor