Fornecedora Apple na China permite eleições para a comissão de trabalhadores

EscritórioMac

Para além disto, a Apple pediu também à Fai Laibor Associationuma auditoria às unidades dos seus principais fornecedores, pois encontrou na falta de representação dos trabalhadores, uma das principais reclamações.

De acordo com o “Financial Times”, a Foxconn planeia eleições, pela primeira vez, para um sindicato nas fábricas que detém na China. Antes das mesmas, os trabalhadores serão esclarecidos sobre as verdadeiras funções de um sindicato, com o apoio de uma organização norte-americana.
 
Isto representa um grande passo no mercado laboral chinês pois, no país, os sindicatos são habitualmente controlados pelas empresas e pelo governo. Até à data, nenhuma outra grande empresa tinha tomado uma decisão deste género.
 
A Foxcoon afirmou ao “Financial Times” que as eleições para a direção da união sindical vão ocorrer de cinco em cinco anos, através de voto secreto.
 
Contudo, uma fonte que está a trabalhar nas próximas eleições declarou que o método que levou à eleição da atual união sindical «não foi democrático porque houve transparência na nomeação dos candidatos», acrescentando ainda que «mais de metade dos membros da comissão pertencem à gestão da companhia».
 
Desta maneira, a tecnológica pretende responder aos protestos e greves, tendo sido as negociações encorajadas pelo governo chinês. Para além disto, a Apple pediu também à Fai Laibor Associationuma auditoria às unidades dos seus principais fornecedores, pois encontrou na falta de representação dos trabalhadores, uma das principais reclamações.


Autor: admin
Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor