35% dos portugueses defendem lojas abertas ao domingo

Negócios

O Observador Cetelem questionou os europeus sobre quais as três propostas que mais facilitariam as suas compras e concluiu que os portugueses são dos consumidores que mais valorizam a abertura das lojas ao domingo com 35% (média europeia: 29%). Mas mais do que o alargamento dos dias de abertura das lojas, os portugueses valorizam o

O Observador Cetelem questionou os europeus sobre quais as três propostas que mais facilitariam as suas compras e concluiu que os portugueses são dos consumidores que mais valorizam a abertura das lojas ao domingo com 35% (média europeia: 29%). Mas mais do que o alargamento dos dias de abertura das lojas, os portugueses valorizam o atendimento personalizado (40%) e pedem uma maior variedade de serviços oferecidos pelos sites de Internet (38%).

6a00e54f98549c883401156fc3f2f9970c-640wi

 

 Ainda relativamente aos horários alargados das lojas, 34% dos portugueses gostariam que as lojas estivessem abertas à noite e 13% desejariam que abrissem mais cedo durante a semana. A circulação otimizada nas lojas ou na Internet é outra proposta referida por uma percentagem significativa de consumidores (31%). Há ainda 23% de consumidores a valorizar um acesso simplificado às lojas através da oferta de custos de estacionamento, acesso aos transportes públicos e parque de estacionamento. Já a procura de mais informações digitais (QR codes, likes, etc) é ainda reduzida (9%). 

De uma forma geral, as respostas dos consumidores europeus concentram-se em três elementos principais em torno de dois polos complementares: as lojas e a Internet. No que toca às lojas, metade dos consumidores declara ser a favor de um horário de funcionamento alargado: abertura ao domingo, à noite ou de manhã mais cedo.

A acessibilidade, a ergonomia e o atendimento personalizado nas lojas teriam, por sua vez, um efeito potenciador para cerca de 36% dos consumidores. Relativamente à Internet, um em cada três europeus veria as suas compras facilitadas pela disponibilização de mais serviços online, como a assistência pós-venda e entregas ao domicílio.

«Os consumidores estão cada vez mais exigentes e esperam cada vez mais das lojas. As expetativas, tanto dos europeus, como dos portugueses, distribuem-se entre a qualidade dos serviços na Internet, o atendimento ao cliente e o aligeiramento das restrições aos horários das lojas. Responder a estas necessidades é uma forma de potenciar o consumo», explica Diogo Lopes Pereira, diretor de marketing do Cetelem.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor