CEO Forum 2012: A Tecnologia é hoje fator crítico para o aumento de competitividade

EmpresasNegócios

“Para se manter o nível de investimento em inovação é necessário ser cada mais eficiente”, concluiu. 

Alexandre Relvas, CEO da Logoplaste, Isabel Vaz, CEO da Espírito Santo Saúde, João Bento, Presidente da Cotec, Luís Mira Amaral, CEO do Banco BIC, e Pedro Norton, CEO da Impresa, foram os membros do painel moderado por Pedro Guerreiro, Diretor do Jornal de Negócios, onde se debateu o papel de liderança e os desafios dos CEOs nesta era colaborativa e no atual contexto económico e financeiro do país. 

O Presidente da IBM Portugal, António Raposo de Lima, abriu a sessão com os principais resultados do IBM CEO Study 2012, para o qual foram entrevistados 1700 CEO’s em todo o mundo, 17 dos quais portugueses, e que serviu de mote à conferência. “O CEO Study é o quinto de um conjunto de estudos que temos vindo a realizar de dois em dois anos, desde 2004. Neste último estudo, o nosso objetivo foi perceber a agenda dos CEOs e de que forma estão a responder à complexidade resultante do aumento das interligações entre organizações, mercados, sociedades e governos”, explicou. 

“Os CEOs têm uma nova estratégia para potenciarem o talento dos colaboradores e estão a investir mais em inovação através de parcerias cada vez mais alargadas”, frisou Raposo de Lima. “A visão de negócio dos CEOs tem-se vindo a transformar. Se em 2004, os fatores tecnológicos ocupavam o sexto lugar nas preocupações destes líderes, em 2012 passaram para primeiro”. 

Também Luís Mira Amaral, CEO do Banco BIC, reforça a importância que a tecnologia tem atualmente em setores como o bancário. “A banca gera um fluxo de dados que devem ser transformados em informação e posteriormente em conhecimento. A vantagem competitiva passa por alavancar a tecnologia e ajustá-la ao modelo de negócio, de modo a e prestar um serviço competente aos clientes”, defendeu. 

“Seria impossível criar o nível de competitividade que temos e alargar a nossa rede de competências se não tivéssemos uma consistente aposta na tecnologia”, referiu, por sua vez, João Bento, Presidente da Cotec, que lembrou ainda a importância de tratar os clientes de forma personalizada. 

Pedro Norton, CEO da Impresa, partilha da mesma visão. “A tecnologia no mundo da comunicação social é um fator crítico de sucesso. Dentro do nosso processo de decisão, temos de ter uma visão tecnológica integrada, alinhada com os processos de negócio”. 

Alexandre Relvas, CEO da Logoplaste, apontou como fatores de diferenciação de uma empresa a capacidade de inovar tirando partido das tecnologias e a aposta em centros de inovação. Por outro lado, lembrou a preocupação em reter talentos em Portugal e a necessidade premente de motivar os colaboradores. “Há pessoas com muita qualidade que estão a olhar para fora. É necessário apresentar perspetivas de futuro”, sustentou. 

Já Isabel Vaz, CEO da Espírito Santo Saúde, fez referência à necessidade de haver uma aproximação aos colaboradores e mantê-los informados. “Tenho por objetivo manter os colaboradores informados. Um líder tem de passar uma mensagem  de tranquilidade. Dar a certeza às pessoas de que sabemos para onde vamos”, defendeu. 

Isabel Vaz mencionou ainda que o setor da saúde está intimamente ligado à inovação e que a grande fatia da despesa vai diretamente para essa área. “Para se manter o nível de investimento em inovação é necessário ser cada mais eficiente”, concluiu. 


Autor: admin
Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor